Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

Capítulo XXV

Texto Original

Caput XXV

De statua simili statue Nabuchodonosor, vestita tamen sacco, que locuta fuit b. Francisco et dixit de IV statibus Ordinis sui.

 

1 Cum semel s. Franciscus devote oraret Altissimum in loco S. Marie de Angelis, et ecce apparuit corporalibus oculis presentialiter visio valde mirabilis. Nam apparuit ante ipsum quedam statua, magna nimis, similis statue quam Nabuchodonosor rex in sompno habuit. 2 Que habebat caput aureum et faciem pulcherrimam; pectus autem et brachia de argento; ventrem et femora de here; tibias autem de ferro; pedes vero ex parte ferreos et ex parte fictiles (cfr.  Dan 2,32)et erat vestita sacco: de quo sacco multum erubescere videbatur.
3 B. vero Franciscus, respiciens in statuam, mirabatur vehementer de illius quasi indicibili pulcritudine et de eiusdem mira magnitudine, et insuper de erubescentia quam videbatur habere de sacco vili quo erat induta. 4 Et dum sic miraretur et intente aspiceret caput eius pulcherrimum et speciosissimam faciem, statua ipsa locuta est s. Francisco, dicens: “Quare miraris? Deus hoc exemplum misit ad te, ut in me disceres que circa tuum Ordinem sint futura.
5 Caput ergo aureum quod in me vides et facies tam decora est principium tui Ordinis, positum in altitudine evangelice perfectionis. 6 Et sicut ipsius substantia est ceteris metallis pretiosior, et facies cunctis aliis speciosior, et locus capitis cunctis membris eminentior, ita principium tui Ordinis erit tante pretiositatis propter firmam et auream caritatem, 7 et tante speciositatis propter angelicam honestatem, et tante altitudinis propter evangelicam paupertatem, quod totus mundus mirabitur. 8 Et regina Sabba, scilicet s. mater Ecclesia, mirabitur et dilatabitur in corde suo, cum viderit in primis electis tui Ordinis tantam Cristi pulcritudinem sanctitatis, et sapientie spiritualis splendorem tanquam in angelicis speculis relucentem. 9 Et beati erunt qui, illorum pretiosorum lapidum primorum, immo capitum aureorum virtutes et mores Cristo se totaliter conformantes, studuerint imitari, magis illorum celesti pulcritudini quam florentis mundi fallaciis adherendo.
10 Pectus vero et brachia de argento erit secundus Ordinis tui status, qui tanto erit primo inferior quantum argentum est inferior auro. 11 Et sicut argentum pretiositatem et claritatem et sonoritatem habet, ita in illo secundo statu erunt pretiosi in divinis scripturis et clari luce sanctitatis ac verbi Dei sonoritate, sublimes, in tantum quod aliquis eorum ad papatum, aliquis ad cardinalatum et ad episcopatum quamplurimi assumentur. 12 Et quia per pectus et brachia ostenditur hominis fortitudo, ideo in illo tempore excitabit Dominus in isto Ordine tuo homines scientia argenteos et virtute preclaros, qui tam scientia quam virtutibus defendent religionem istam et etiam universam Ecclesiam a multimodis impugnationibus demonum et a variis impulsionibus hominum impiorum.
13 Sed quamvis mirabilis generatio illa erit, tamen usque ad priorum statum perfectissimum non perveniet, sed sic erit respectui status primi sicut argentum respectu auri.
14 Post hos erit tertius status in Ordine, qui ventri hereo similabitur et femoralibus hereis; quia sicut hes estimatur minori preti quam argentum, ita illi de illo statu tertio erunt primis secundisque minores. 15 Et quamvis tanquam hes in numerositate et multa latitudine per orbis spatia distendentur, tamen erunt de hiis quorum Deus venter est, et gloria religionis in confusione ipsorum qui sola que terrena sunt sapiunt (cfr. Phip 3,19)16 Et quamvis propter scientiam habebunt linguam, tanquam hes, mirabilem et sonoram, sed quia erunt cultores ventris et femorum, heu! heu! reputabuntur apud Deum, secundum Apostolum, sicut hes sonans aut cimbalum tinniens (cfr. 1Cor 13,1) quia aliis resonabunt verba celestia et quasi ex femore spirituales filios generabunt; et ostenso aliis vite fonte (cfr. Ps 35,10)ipsi ventre arido gratia adherebunt in terra.
18 Post istos vero erit quartus status, terribilis et pavendus, qui tibi nunc ostenditur in tibiis ferreis.19 Nam sicut ferrum domat (cfr. Dan 2,40) et dissipat hes, argentum et aurum, ita status ille erit tante duritie et ferree pravitatis, quod ex frigiditate et horrenda rubigine ac ferreis moribus illius periculosi temporis, 20 oblivioni tradetur quecumque bona caritas aurea priorum et argentea veritas secundorum et herea sive sonora loquacitas tertiorum edificaverant in Cristi ecclesia. 
21 Tamen sicut tibie sustinent corpus, ita illi quadam fortitudine rubiginose ipocrisis corpus Ordinis sustentabunt, et tam venter predictus quam tibie iste ferree latebunt sub vestibus, quia sub religionis abitu contegentur: habitum quidem pietatis habentes,intrinsecus autem erunt lupi rapaces (cfr.  Mat 7,15; Act 20,29).
22 Et isti tales, solum ventri servientes et etiam rubiginosi et ferrei, mundo quidem latentes sed Domino manifesti, quia pretiosissima bona quasi ad nichilum prave vite malleo redegerunt; 23 ideo ipsi tanquam ferrum durissimum igne tribulationum et malleis angustiarum terribilium affligentur, ita ut non solum demonum sed etiam rectorum seculi cladibus secularibus et ignibus et carbonibus excoquentur, ut potentes potenter tormenta patiantur. 
24 Et quia propter irreverentem duritiam peccaverunt, ab irreverentibus durissime torquebuntur. Propter autem illas angustias ad tantam impatientiam movebuntur, quod, sicut ferrum quod omnibus metallis resistit, omnibus se opponent, 25 ita quod non solum secularibus potestatibus sed etiam spiritualibus obstinate resistent, putantes se tanquam ferrum omnia conculcare posse: propter quod Deo maxime displicebunt.
26 Quintus vero status erit ex parte ferrum, quantum ad ipocritas supradictos, et ex parte terreus, quantum ad illos qui secularibus negotiis totaliter se miscebunt. 27 Et sicut vidisti in pedibus quod testa ex luto cocta et ferrum simul apparuit, que tamen uniri nullatenus possunt, ita erit in extremo status istius Ordinis: 28 quod orietur tanta abominanda divisio inter ambitiosos ipocritas et testeos, ex luto temporalium et concupiscentia carnis excoctos, quod sicut testa et ferrum nequibunt ex discordia maxima convenire. 29 Et contempnent, non solum evangelium et regulam, sed etiam pedibus testeis et ferreis, hoc est pravis affectibus et immundis, conculcabunt omnem s. Ordinis disciplinam. 30 Et sicut testa et ferrum divisa sunt invicem, ita multi ipsorum inter se dividentur intus et extra: intus quidem contentiose viventes; extra vero partialibus et tirampnis secularibus adherentes. 31 Propter quod venient in tantam displicentiam omnium, quod non solum vix in terris intrare poterunt vel morari, sed vix portare habitum manifeste.
32 Et multi eorum punientur et destruentur tormentis horribilibus per homines seculares, quia tam abominabiles pedes domus omnis et solum vitabit. 33 Hoc autem totum eveniet illis, quia totaliter ab aureo capite recesserunt. Beati autem erunt, qui in illis periculosis diebus ad pretiosi capitis monita revertentur, quia tanquam aurum in fornace probavit illos Dominus et quasi holocausta medullata coronabit et accipiet (cfr. Sap 3,6) in eternum.
34 Ille saccus, de quo erubescere videor, est s. paupertas que, cum sit totius Ordinis decor et speculum, et custodia singulans et corona, et fundamentum omnimode sanctitatis, 35 deficientibus tamen omnibus studiis virtuosis, ut dictum est supra, de ipsa paupertate sanctissima filii degeneres erubescent et, eiectis vilibus indumentis, eligent pretiosa et cappas vanas anxie et simoniace procurabunt. 36 Felices vero et beati erunt qui usque in finem perseveraverunt (cfr. Mat 24,13) in hiis que Domino promiserunt”.
Et hiis dictis, statua illa disparuit. 37 Et s. Franciscus, de hiis omnibus vehementer admirans, oves suas presentes et futuras, tanquam bonus pastor, Deo cum multis lacrimis commendabat.
Deo gratias. Amen.

Texto Traduzido

Caput XXV

Sobre a estátua parecida com a estátua de Nabucodonosor, mas vestida de saco, que se dirigiu a São Francisco e lhe falou sobre os quatro estados de sua Ordem.

 

1 Uma vez, São Francisco orava devotamente ao Altíssimo no lugar de Santa Maria dos Anjos, e eis que teve uma visão muito admirável, diante dos olhos corporais. Pois apareceu diante dele uma estátua, muito grande, semelhante à estátua que o rei Nabucodonosor teve em sonho. Ela tinha a cabeça de ouro, o peito e os braços de prata, o ventre e as cochas de bronze, mas as pernas de ferro; os pés, porém, eram parte de ferro e parte de barro (cfr. Dn 2,32)e estava vestida com pano de saco, parecendo muito envergonhada por isso.
3 Olhando a estátua, o bem-aventurado Francisco ficou muito admirado de sua beleza como que indizível, de sua admirável grandeza e, além disso, do rubor que parecia ter por causa do pano vil com que estava vestida. 4 Enquanto estava admirando e examinando atentamente sua belíssima cabeça e formoso rosto, a estátua falou com São Francisco, dizendo: “Por que te admiras? Deus te mandou este sinal para que aprendas em mim o que vai acontecer no futuro com a tua Ordem.
Pois a cabeça de ouro e o rosto tão bonito que vês em mim é o princípio de tua Ordem, posto na altura da perfeição evangélica. 6 E como a sua substância é mais preciosa do que os outros metais, e o rosto mais bonito de que todos os outros, assim o princípio de tua Ordem será de tão grande preciosidade por causa da firme e áurea caridade, 7 e de tanta formosura por causa da angélica honestidade, e de tanta altura por causa da pobreza evangélica, que todo mundo admira. 8 E a rainha de Sabá, isto é, a santa Mãe Igreja, ficará admirada e expandirá seu coração quando vir nos primeiros escolhidos de tua Ordem tanta beleza da santidade de Cristo, e esplendor da sabedoria espiritual brilhando como nos espelhos angélicos.  9 E bem-aventurados serão aqueles que, conformando-se totalmente a Cristo, se empenharem em imitar as virtudes e os costumes daquelas primeiras pedras preciosas, ou melhor, das cabeças de ouro, aderindo mais à beleza celeste deles do que às ilusões de um mundo florescente.
10 Peito e braços de prata será o segundo estado da tua Ordem, que será tão inferior à primeira quanto a prata é inferior ao ouro. 11 E como a prata tem preciosidade, claridade e sonoridade, assim, no segundo estado, serão preciosos nas escritura divinas, claros pela luz da santidade e sublimes pela sonoridade da Palavra de Deus, de tal modo que alguns deles serão assumidos para o papado, alguns para o cardinalato e muitos para o episcopado. 12 E como pelo peito e pelos braços mostra-se força do homem, assim naquele tempo o Senhor vai suscitar nesta tua Ordem homens de prata pela ciência e preclaros pela virtude, que tanto pela ciência como pelas virtudes vão defender esta religião e também toda a Igreja de numerosos assaltos dos demônios e de diversas violências dos homens ímpios.
13 Mas, mesmo sendo admirável, essa geração não vai chegar ao estado perfeitíssimo dos primeiros: será, em respeito ao primeiro estado, como a prata em comparação com o ouro.
14 Depois desses, haverá o terceiro estado da Ordem, que vai parecer com o ventre e as coxas de bronze; porque, como o bronze tem um preço menor do que a prata, assim os desse terceiro estado serão menores do que os primeiros e os segundos. 15 E embora, como bronze, vão se espalhar em número e ampla extensão pelos espaços do orbe, haverá alguns deles cujo Deus é o ventre, e a glória da religião estará na confusão daqueles que só apreciam as coisas que são terrenas (cfr. Fl 3,19)16 E ainda que, por causa da ciência, vão ter uma língua como o bronze, admirável e sonora, como serão cultores do ventre e das coxas, ai! ai! serão tidos por Deus, como diz o Apóstolo, como o bronze que soa ou o tímbalo que tine (cfr. 1Cor 13,1) porque para os outros farão ressoar palavras celestiais e, como da coxa, gerarão filhos espirituais; tendo mostrado para os outros a fonte da vida (cfr. Sl 35,10)eles mesmos, com o ventre árido de graça, estarão colados à terra.
18 Depois desses, vai ser o quarto estado, terrível e pavoroso, que agora te é mostrado nas pernas de ferro. 19 Pois assim como o ferro doma (cfr. Dn 2,40) e dissipa o bronze, a prata e o ouro, assim o estado vai ser de uma maldade tão dura e férrea, que pela frieza e pela horrível ferrugem e pelos costumes férreos desse tempo perigoso, 20 será jogado no esquecimento tudo quanto a caridade áurea dos primeiros, a argêntea verdade dos segundos e a brônzea ou sonora loquacidade dos terceiros tinham edificado na Igreja de Cristo.
21 Entretanto, como as pernas sustêm o corpo, assim os do quarto estado, por alguma força da enferrujada hipocrisia, sustentarão o corpo da Ordem, e tanto o ventre de que falamos como estas pernas de ferro vão ficar escondidas embaixo da roupa, porque embaixo do hábito da religião estão escondidas: pois apesar de terem o hábito da piedade, por dentro serão lobos vorazes (cfr. Mt 7,15; At 20,29).
22 E esses tais, que só servem ao ventre e também são enferrujados e férreos, escondidos para o mundo, mas manifestos diante de Deus, porque, com o martelo de uma vida depravada, como que reduziram a nada os bens preciosíssimos. 23 Por isso, eles vão ser afligidos como o ferro duríssimo pelo fogo das tribulações e pelos martelos das terríveis angústias, para serem assim cozidos não só pelas espadas seculares, pelos fogos e as brasas dos demônios e também dos governantes do século, de modo que os poderosos sofram poderosamente os tormentos.
24 E porque pecaram por causa da dureza irreverente, vão ser duramente torturados pelos irreverentes. Mas, por causa dessas angústias, vão ser levados a tamanha impaciência que, como ferro que resiste a todos os metais, eles se oporão a todos, 25 de modo que vão resistir obstinadamente não só aos poderes seculares mas também aos espirituais, achando que, como o ferro, poderão pisotear tudo: pelo que vão desagradar a Deus ao máximo.
26 O quinto estado vai ser em parte de ferro, quanto aos hipócritas de que falamos, e em parte terra, quanto aos que vão se envolver totalmente nos negócios seculares. 27 E como vistes que nos pés apareceram ao mesmo tempo o barro cozido e o ferro, que não podem unir-se de maneira alguma, assim será o estado desta Ordem no seu termo: 28 vai nascer uma divisão tão abominável entre os ambiciosos de ferro e os de barro, cozidos a partir do lodo das coisas temporais e da concupiscência da carne, que, pela maior das discórdias, não poderão estar juntos, como o ferro e a cerâmica. 29 E não só vão desprezar o evangelho e a regra, mas esmagar toda a santa disciplina da Ordem com os pés de cerâmica e de ferro, isto é, com os afetos depravados e imundos. 30 E assim como a terra cozida e o ferro estão divididos entre si, assim muitos deles vão se dividir por dentro e por fora: por dentro vivendo em contendas; por fora aderindo aos partidos e aos tiranos seculares. 31 Por isso, chegarão a tamanha displicência diante de tudo, que não só mal poderão entrar ou morar em algumas regiões, como mal poderão usar abertamente o hábito.
32 Muitos deles vão ser punidos e destruídos em tormentos horríveis por pessoas seculares, porque toda casa e todo chão evitarão tão abomináveis pés. 33 Mas tudo isso vai acontecer com eles porque se afastaram totalmente da cabeça de ouro. Por isso serão felizes os que, naqueles dias preciosos, voltarem às admoestações da cabeça, porque o Senhor os provou como o ouro na fornalha e os coroará como holocaustos substanciosos, e os acolherá na eternidade (cfr. Sb 3,6).
34 Aquele saco, do qual me mostro envergonhado, é a santa pobreza, que é de toda a Ordem o ornamento, o espelho, a custódia singular a coroa e fundamento de toda santidade. 35 Entretanto, se vierem a faltar todos os esforços de virtude, como dissemos acima, os filhos degenerados vão se envergonhar da própria santíssima pobreza e, jogando as roupas vis, preferirão as preciosas. Simoníaca e ansiosamente vão arranjar capas de vaidade. 36 Felizes e bem-aventurados serão os que perseverarem até o fim (cfr. Mt 24,13) naquilo que prometeram a Deus”.
Dito isso, a estátua desapareceu. 37 E São Francisco, muito admirado com isso tudo, recomendava a Deus com muitas lágrimas, como um bom pastor, suas ovelhas presentes e futuras.
Graças a Deus. Amém.