Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

Capítulo XXIII

Texto Original

Caput XXIII

De lupo reducto per b. Franciscum ad magnam mansuetudinem.

 

Accidit quoddam mirabile et celebri memoria dignum in civitate Eugubii, dum adhuc viveret s.p.n. Franciscus. Erat namque in territorio civitatis Eugubii quidam lupus terribilis magnitudine corporis et ferocissimus rabie famis; qui non solum animalia destruebat sed etiam homines et feminas devorabat, ita quod omnes cives in tanta peste ac terrore tenebat, quod omnes ibant muniti et armati cum egrediebantur terram, ac si deberent ad bella funesta procedere. 3 Nec tamen sic armati valebant dicti lupi mortales dentes aut truculentam evadere rabiem, qui eidem per infortunium obviabant. Unde tantus terror omnes invasit, quod vix aliquis extra portam civitatis audebat exire.
4 Volens autem Deus notificare sanctitatem b. Francisci civibus supradictis, cum s. Franciscus moraretur ibidem, compatiens illis, s. Franciscus disposuit exire obviam dicto lupo. 
5 Cui cives, hoc sentientes, dicebant: “Fr. Francisce, cave ne portam exeas; quia lupus, qui iam multos homines devoravit, penitus te occidet!”. Sanctus vero Franciscus, sperans in D. Ihesu Cristo, qui universe carnis spiritibus dominatur, non clypeo protectus vel galea, 6 sed signo s. crucis se muniens, exivit portam cum socio, totam fiduciam suam iactans in Domino, qui credens in eo facit sine lesione aliqua super basiliscum et aspidem ambulare et conculcare, non solum lupum, sed leonem insuper et draconem (cfr.  Ps 90,13),
7 Et sic fidelissimus Cristi miles Franciscus, non loricam succinctus vel gladio, non arcum baiulans vel arma bellica, sed scuto sanctissime fidei et crucis signo munitus, iter aliis dubium ipse carpere constanter incepit. Et ecce, multis cernentibus de locis in quibus ad spectandum ascenderant, lupus ille terribilis contra s. Franciscum, aperto totaliter ore, cucurrit. 8 Contra quem s. Franciscus opposuit signum crucis, et tam a se quam a socio virtute divina lupum compescuit, et cursum retinuit, ac os truculenter apertum conclusit. 
9 Et demum advocans illum ait: “Veni huc, fr. lupe, et ex parte Cristi tibi precipio quod nec michi nec alteri noceas”. 
10 Mirabile dictu quod, statim facta cruce, clausit os illud terribile! Et facto mandato, statim se ad pedes sancti, de lupo iam factus agnus, capite inclinato prostravit. 11 Sic autem iacenti dixit s. Franciscus: “Fr. lupe, tu facis multa dampna in partibus istis et horrenda maleficia perpetrasti, creaturas Dei sine misericordia destruendo. 12 Non solum autem irrationabilia destruis, sed, quod detestatoris audacie est, occidis et devoras homines ad imaginem Dei factos(cfr.  Gen 1,26.27)Unde tu es dignus horrenda morte mulctari tamquam predo et pessimus homicida; propter quod omnes contra te iuste clamant ac murmurant, et est tibi tota ista civitas inimica. 13 Sed, fr. lupe, ego volo inter te et istos facere pacem, ita quod a te ipsi amplius non ledantur, et tibi omnem offensam preteritam dimittentes, nec canes nec homines te amplius persequentur”.
14 Et lupus gestibus corporis et caude et aurium ac capitis inclinatione monstrabat illa que sanctus dicebat omnimode acceptare. 
15 Et ait iterum s. Franciscus: “Fr. lupe, ex quo tibi placet facere pacem istam, ego promitto tibi quod faciam tibi dari expensas continuas donec vixeris per homines civitatis istius, 16 ita quod nunquam famem amplius patieris; quia ego scio quod quicquid mali facis, facis propter rabiem famis. 17 Sed fr. mi lupe, ex quo ego acquiram tibi talem gratiam, volo quod tu promittas michi quod nunquam aliquod animal ledas vel hominem, nec etiam dampnum aliquod in cunctis rebus inferre presumas. Promittis michi ita?”.
18 Et lupus signum evidens, inclinato capite, fecit, quod promittebat facere illa que imponebantur a sancto. Et s. Franciscus ait: “Fr. lupe, ego volo quod tu des michi fidem, ut possim confidenter credere quod promittis”. 
19 Et cum extendisset s. Franciscus manum pro recipienda fide, lupus etiam levavit pedem anteriorem dextrum et blande posuit super manum s. Francisci signo quo poterat fidem dando. 20 Tunc s. Franciscus ait: “Fr. lupe, precipio tibi in nomine Ihesu Cristi (cfr. Act 16,18)quod venias amodo mecum, nil dubitans, ut eamus ad faciendum pacem istam in nomine Domini”.
21 Et lupus obediens statim ibat cum s. Francisco tanquam mansuetissimus agnus. 22 Quod videntes, illi de civitate ceperunt vehementer mirari; et novitas hec statim per totam civitatem insonuit, ita quod omnes, tam senes quam iuvenes, tam mulieres quam mares, tam populares quam nobiles ad plateam civitatis simul convenerunt, ubi s. Franciscus morabatur cum lupo. 
23 Congregata vero populi multitudine, surgens s. Franciscus fecit predicationem illis mirabilem, dicens inter alia quomodo propter peccata tales pestilentie permittuntur, 24 et quomodo sit periculosior vorax flamme gehenne, que habet in eternum devorare dampnatos, quam rabies lupi, que non potest occiderenisi corpus (cfr.  Mat 10,28); 25 et quam sit pavendum in hiatum infernale demergi, quando tantam multitudinem unum parvulum animal in tanto pavore et periculo detinebat. 26 ”Revertimini igitur, carissimi, ad Dominum et facite penitentiam dignam, et a lupo liberabit vos Dominus in presenti et in futuro ab igne baratri devorantis”.
27 Et hiis dictis ait: “Audite, carissimi: fr. lupus, qui hic coram vobis astat, promisit michi, et de promissione fidem exibuit, facere pacem vobiscum 28 et nunquam vos in aliquo ledere, si tamen promittitis sibi omni die expensas necessarias exibere. Et ego pro ipso lupo fideiubeo quod pactum pacis firmiter observabit”.
29 Tunc omnes ibi congregati cum clamore valido promiserunt lupum nutrire continue; et s. Franciscus coram omnibus dixit lupo: “Et tu, fr. lupe, promittis servare pactum istis, scilicet quod nec animal nec personam aliquam ledas?”.
30 Et lupus, se ingeniculans, cum inclinatione capitis et gestibus corporis et caude et aurium blandimentis se servaturum pacta promissa omnibus evidenter monstravit. 
31 Et s. Franciscus ait: “Fr. lupe, ego volo quod sicut tu de hoc dedisti michi fidem cum extra portam essem, ita hic coram toto populo des michi fidem quod ista servabis, et me in fideiussione pro te facta minime derelinques”. 
32 Tunc lupus, levato pede dextro, dedit fidem in manu s. Francisci, fideiussoris sui, coram cunctis astantibus. 33 Et facta est tanta admiratio in gaudium omnium tam pro devotione sancti quam pro novitate miraculi, quam insuper pro pace lupi et populi, ut omnes clamarent ad sidera, 34 laudantes et benedicentes D. (cfr. Luc 24,53) Ihesum Cristum, qui misit ad eos s. Franciscum, et eos meritis illius de ore fere pessime liberavit et de tam horrenda peste in pace reposuit et quiete.
35 Ex illo ergo die lupus populo et populus lupo pacta per s. Franciscum ordinata servavit; et lupus, per duos annos vivens et per civitatem hostiatim victitans neminem ledens, nec ipse lesus ab aliquo, fuit curialiter nutritus. 36 Et quod mirum est, nunquam latrabat canis aliquis contra ipsum. Tandem fr. lupus seniens mortuus est. 
37 De cuius absentia cives plurimum doluerunt, quia dicti lupi pacifica et benigna patientia quandocumque per civitatem pergebat s. Francisci virtutem et sanctitatem mirificam in memoriam reducebat.
Deo gratias. Amen.

Texto Traduzido

Caput XXIII

Sobre o lobo levado pelo bem-aventurado Francisco e sua grande mansidão.

 

1 Aconteceu, na cidade de Gúbio, quando ainda vivia nosso pai São Francisco, um fato admirável e digno de ser lembrado como célebre. Pois havia no território da cidade de Gúbio um lobo terrível pelo tamanho e ferocíssimo pela raiva da fome, que não só destroçava animais mas também devorava homens e mulheres, de modo que mantinha todos os cidadãos em tamanha angústia e terror que todos, quando saíam para o campo, andavam prevenidos e armados, como se tivessem que ir a uma guerra funesta. 3 Mas nem armados conseguiam escapar dos dentes mortais ou da raiva truculenta do lobo quando tinham a infelicidade de encontrá-lo. Por isso, foram todos invadidos por tamanho terror que alguns mal ousavam sair fora da porta da cidade.
4 Mas Deus quis demonstrar a esses cidadãos a santidade do bem-aventurado Francisco. Quando ele morava lá, ficou com pena deles e se dispôs a sair ao encontro do lobo.
5 Ouvindo falar disso, os cidadãos diziam: “Frei Francisco, toma cuida de não sair fora da porta, porque o lobo, que já devorou muitas pessoas, vai certamente te matar!”. Mas São Francisco, confiando no Senhor Jesus Cristo, que domina os espíritos de toda carne, sem estar protegido por escudo e capacete, 6 munindo-se com o sinal da santa cruz, saiu pela porta com um companheiro, colocando toda a sua confiança no Senhor, que a quem nele crê faz andar sobre o basilisco e a áspide e calcar sob os pés não só o lobo mas também o leão e o dragão (cfr. Sl 90,13).
7 E assim, o fiel cavaleiro de Cristo, Francisco, sem se cingir com armadura ou espada, sem levar um arco ou outra arma de guerra, mas protegido pelo escudo da fé santa e o sinal da cruz, começou a percorrer com constância o caminho que, para os outros, era incerto. Eis que, diante de muitos que estavam vendo dos lugares para onde tinham subido, o lobo terrível correu contra São Francisco, com a boca totalmente aberta. Contra ele, São Francisco opôs o sinal da cruz, mantendo-o por virtude divina afastado tanto de si mesmo como do companheiro, deteve a sua corrida, fechou a boca truculentamente aberta.
9 No fim, chamando-o, disse: “Vem aqui, irmão lobo. Da parte de Cristo eu te mando que não faças mal nem a mim nem a outro”.
10 Que admirável! Logo que fez a cruz, o fechou aquela boca terrível! Quando foi dada a ordem, inclinou a cabeça e se prostrou aos pés do santo, já transformado de lobo em cordeiro. 11 Quando ele estava assim, deitado, São Francisco disse: “Irmão lobo, tu causas muitos danos por estes lados e perpetraste malefícios horrendos, destruindo sem misericórdia as criaturas de Deus. 12 Pois não só destróis seres irracionais mas, o que é da ousadia de quem detesta, matas e devoras homens criados à imagem de Deus (cfr. Gn 1,26.27). Por isso, és digno de ser condenado a uma morte horrenda, como salteador e péssimo homicida. É por isso que todos clamam e murmuram justamente contra ti, e esta cidade inteira é tua inimiga. 13 Mas, Irmão lobo, quero fazer a paz entre ti e estas pessoas, de modo que não sejam mais prejudicados por ti e, perdoando-te todas as ofensas passadas, nem cães nem homens continuem a te perseguir”.
14 E o lobo, com gestos do corpo, da cauda, das orelhas e da cabeça mostrava que estava aceitando tudo que o santo dizia.
15 São Francisco ainda disse: “Irmão lobo, uma vez que estás de acordo em fazer esta paz, eu te prometo que farei que, pelas pessoas desta cidade, te dêem continuamente o que comer, enquanto viveres, 16 de modo que nunca mais passes fome, porque eu sei que tudo que fazes de mal, fazes pela raiva da fome. 17 Mas, meu irmão lobo, como eu vou te conseguir essa graça, quero que me prometas que nunca vais ferir algum animal ou homem, nem presumirás causar algum dano em todas as coisas. Tu me prometes isso?”.
18 Inclinando a cabeça, o lobo deu um sinal evidente de que prometia fazer o que era imposto pelo santo. E São Francisco disse: “Irmão lobo, quero que me dês uma fiança, para eu poder crer com segurança no que me prometes”.
19 E como São Francisco estendeu a mão para receber a fiança, o lobo também levantou sua pata anterior direita e a colocou brandamente sobre a mão de São Francisco, dando fiança com o sinal que podia. 20 Então São Francisco disse: “Irmão lobo, eu te mando em nome de Jesus Cristo (cfr. At 16,18)que agora venhas comigo, sem duvidar, para podermos ir fazer esta paz em nome do Senhor”.
21 E o lobo, obedecendo imediatamente, ia com São Francisco, como um cordeiro muito manso. 22 Vendo isso, as pessoas da cidade começaram a ficar veementemente admiradas. E essa novidade logo se espalhou por toda a cidade, de modo que todos, tanto velhos como jovens, tanto mulheres como homens, tanto populares como nobres dirigiram-se juntos para a praça da cidade, onde São Francisco estava com o lobo.
23 Reunida toda a multidão do povo, São Francisco levantou-se e fez-lhes uma pregação admirável, dizendo entre outras coisas como, por causa dos pecados, essas calamidades são permitidas, 24 e como é mais perigoso o fogo devorador da geena, que vai devorar para sempre os condenados, do que a raiva do lobo, que não pode matar senão o corpo (cfr. Mt 10,28); 25 e como deve ser assustador mergulhar no abismo do inferno, quando um único pequeno animal mantinha em tamanho pavor e perigo toda uma multidão. 26 ”Portanto, caríssimos, voltai para Deus e fazei uma penitência digna. Deus vos libertará do lobo no presente e do fogo devorador do abismo, no futuro.
27 Dito isso, falou: “Ouvi, caríssimos, o irmão lobo, que está aqui presente diante de vós, prometeu-me — e deu prova dessa promessa — que ia fazer a paz convosco 28 e nunca mais vos prejudicará em alguma coisa se lhe prometerdes dar todos os dias a comida necessária. E eu sou fiador, em nome do lobo, de que ele vai observar firmemente o pacto de paz”.
29 Então todos os que lá estavam congregados prometeram com um forte clamor que iam alimentar continuamente o lobo. E São Francisco disse ao lobo, diante de todos: “Tu também, irmão lobo, prometes a eles observar o pacto, isto é, que não ferirás nem uma pessoa nem um animal?”
30 E o lobo, ajoelhando-se, demonstrou evidentemente a todos que ia observar o pacto, com uma inclinação da cabeça, gestos do corpo, da cauda, e acenos das orelhas.
31 São Francisco disse: “Irmão lobo, quero que, como me deste esta garantia quando eu estava fora da porta, assim, aqui, diante do povo, me dês a garantia de que vais observar estas coisas, e não me abandonarás de modo algum no aval que fiz por ti”.
32 Então o lobo, levantando a pata direita, deu fé na mão de São Francisco, seu avalista, diante de todos os presentes. 33 E houve tanta admiração, para alegria de todos, tanto pela devoção do santo como pela novidade do milagre como mais do que tudo pela paz entre o lobo e o povo, que todos clamavam aos céus, 34 louvando e bendizendo o Senhor (cfr. Lc 24,53) Jesus Cristo, que lhes enviara São Francisco e, pelos seus méritos, libertara da boca da péssima fera, transformando uma calamidade tão horrenda em paz e sossego.
35 A partir daquele dia, portanto, o lobo com o povo e o povo com o lobo observaram o pacto feito por São Francisco. O lobo viveu por dois anos, andando de porta em porta pela cidade para comer, e sem fazer mal a ninguém. Ele também, sem ser ferido por alguém, foi cortesmente alimentado. 36 E o que é para admirar: nunca algum cão ladrava contra ele. No fim, o irmão lobo envelheceu e morreu.
37 Muitos cidadão ficaram muito condoídos por sua ausência, porque a pacífica e benigna paciência daquele lobo, cada vez que ele ia pela cidade, fazia lembrar a virtude e a santidade admirável de São Francisco.
Demos graças a Deus. Amém.