Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

Capítulo IX

Texto Original

Caput IX

De affectu ipsius ad omnes creaturas propter amorem Creatoris; et quantam reverentiam nomini Domini et verbis exhibuit; et de compassione pauperum.

 

41. 

1 Tanta beati Francisci mentem divini amoris dulcedo repleverat, ut in omnibus opera Creatoris miranda considerans, maxima etiam erga cunctas afflueret pietatis teneritudine creaturas. 

2 Inter alias tamen illas praecipue diligebat, quas, ut puta oviculas, simplicioris et mansuetioris naturae videbat, quarum etiam nominibus Christum ob aliquam similitudinem figurari in Scripturis audierat. 

3 Nam tempore quodam per Marchiam Anconae cum fratre Paulo, quem ibidem ministrum constituerat (cfr. Act 26,16), transiens, quemdam hircorum et caprarum vidit in pascuis non modicum gregem, et unicam inter omnes iam dicti gregis pecudes oviculam depascentem. 

4 Ad cuius intuitum graviter ingemiscens, dixit ad fratrem: “Nonne vides hanc solam oviculam inter hircos et capras simpliciter ambulantem? 

5 Sic utique Dominus noster Iesus Christus innocens, mansuetus et humilis inter scribas et pharisaeos et sacerdotum principes ambulavit.

6 Solvamus ergo, fili carissime, pretium, et educamus illam de medio (cfr. Ps 135,11)  gregis caprarum”.

 

42. 

1 Cumque nihil aliud praeterquam viles tunicas habentes de ove redimenda solliciti starent, ecce quidam mercator transiens se ad hoc voluntarius obtulit, pretioque soluto ipsam ovem sancto viro reliquit. 

2 Qui gaudens illam secum in civitatem quae dicitur Auximum, quo tendebat, adduxit, et ad eiusdem loci episcopum hospitandi gratia declinavit. 

3 Miranti igitur primum episcopo quare sic oviculam duceret, longam de illa parabolam coepit retexere, donec et ipse episcopus Altissimo gratias ageret, non modicum de tanta hominis Dei compunctus simplici puritate. 

4 Sequenti autem die per quoddam claustrum Dominarum apud Sanctum Severinum vir Dei transitum fecit, ubi eisdem Christi famulabus oviculam commendavit; 

5 quam illae ob sancti reverentiam devotissime suscipientes, diligenter eam longo tempore nutrierunt, donec tunicam de ipsius tandem lana texentes, illam beato viro munus acceptissimum de fratre ovicula transmiserunt.

 

43. 

1 Alio quoque tempore per eamdem Marchiam, iam dicto fratre comite, transiens, invenit in itinere quemdam virum, qui duos in humeris portabat agniculos ad vendendum. 

2 Quos ut pius pater balantes audivit, commota sunt ex intimis viscera eius (cfr. 3Re 3,26) et accedens benigne eos veluti mater plorantes filios attrectavit.

3 Dixit autem ad virum: “Quare fratres meos agniculos sic ligatos et suspensos excrucias?”. 

4 Qui cum respondisset quod eos ad forum pretii necessitate deferret, quaerentique quid de illis postea fieret vir eos mactandos assereret, ait sanctus: 

5 “Absit ut hoc fiat! Quin potius mantellum hunc, quo contegor, accipe, et fratres meos agniculos mihi relinque!”. 

6 Acquievit voluntarius homo ille; 

7 multo enim maioris pretii erat mantellus, quem vir Dei frigoris necessitate compulsus a quodam fideli mutuaverat ipsa die. 

8 Igitur acceptis agniculis, quid de ipsis ageret sollicitus exstitit;

9 tandem cum socio fratre deliberans, gubernandos eidem viro commisit, et ne vel eos venderet ullo tempore laederetve districte praecepit.

 

44. 

1 Non solum autem huiusmodi bestiis et dignioribus creaturis, sed et aliis vilibus et minimis simili affectu compassionis adhaesit. 

2 Nam quia de Salvatore legitur: Ego sum vermis et non homo (Ps 21,7), vermiculos etiam, ne contererentur multoties de via legebat; 

3 sed et apibus, ne deficerent, forte vinum vel mel in hieme ministrabat. 

4 Diligenter enim, non tam illarum, quam et aliarum creaturarum efficaciam attendebat, et quidquid admirationis, delectamenti seu cuiuscumque valoris in unaquaque perpendere poterat, id totum in omnium Factoris gloriam regerebat. 

5 Quid putas, in sole, luna firmamentoque et stellis; quid in elementis et eorum effectibus sive ornatibus; quid, inquam, in omnibus omnium Creatoris potentiam, sapientiam bonitatemque contemplans, verae cognitionis, dulcedinis hausit et gratiae? 

6 Utique quempiam mortalium non arbitror hoc posse verbis exprimere. 

7 Et quoniam ad unum principium omnia retorquebat, propter hoc omnia fraterno nomine nuncupabat, omnia ad unius Conditoris laudem continuus ipse in laudibus invitabat. 

8 Ipse vero, nomen Domini nominans (cfr. 2Tim 2,19), totus supra hominis intellectum afficiebatur, totus in iubilo, totusque alterius saeculi videbatur. 

9 Propterea et tantam nomini Salvatoris reverentiam exhibebat, quod et qualecumque scriptum inveniret inhoneste locatum, reverenter illud recolligens, in loco reponebat honesto, 

10 ne forte verba divina vel nomina, vel etiam litterae quibus illa scribuntur, continerentur in illo.

 

45. 

1 Quanto autem, putas, erga pauperes homines compassionis ardore fervebat, qui tanta non solum ad animalia bruta, verum etiam ad insensibiles et infimas affluebat pietatis dulcedine creaturas? 

2 Nam hic vere pauperum patriarcha omnium pauperrimus esse desiderans, etsi supra vilem tunicam nihil possessionis appeteret, noluit tamen in hac unica necessitate parcere sibi ipsi, quin et illam pluries indigenti cuiquam promptissime cuperet impertiri. 

3 Vestes quoque diversas a divitibus in hieme postulabat, quas, illis libentissime dantibus, ita ut nec ad restitutionem teneretur, accipiens, eas egenis, quos prius habere contingeret obvios, in frigore porrigebat. 

4 Gravissimum erat illi, si alicui pauperum verbo vel facto perciperet quidquam molestiae fieri. 

5 Audiens enim tempore quodam unum e fratribus pauperi cuidam huiusmodi verbum invectionis inferre: “Vide ne forsitan falso simules paupertatem!”, 

6 durius increpatum fecit coram eodem paupere nudum procidere et, pedibus eius deosculatis humiliter ab ipso vendam postulare. 

7 Ait enim: “Qui pauperi maledicit, Christo facit injuriam, cuius nobile signum gerit, qui voluntarie pauperem pro nobis in hoc mundo se fecit”. 

8 Ipse quoque, etsi minimum quid haberet corporalium virium, humeros tamen proprios saepius ad sublevanda supposuit onera pauperum. 

9 Quorum etiam pio zelo multa alia faciebat frequentius in hunc modum, quae, nisi brevitati studeremus, scribere non fuisset indignum.

Texto Traduzido

Caput IX

O afeto que, por amor ao Criador, tinha por todas as criaturas; quanto respeito mostrou pelo nome e pelas palavras do Senhor; sua compaixão pelos pobres.

 

41. 

1 A doçura do amor de Deus enchera tanto a mente do bem-aventurado Francisco que, vendo em tudo a obra admirá­vel do Criador, dedicava a todas as criaturas uma afetuosa ternu­ra. 

2 Entre as outras, porém, amava especialmente as ovelhinhas, porque via que eram de uma natureza mais simples e mansa e porque soubera que, por seu nome e por causa de alguma semelhança, na Sagrada Escritura elas são figura de Cristo. 

3 Pois, certa ocasião, passando pela Marca de Ancona em companhia de Frei Paulo, que aí constituíra ministro (At 26,16), viu um grande rebanho de bodes e de cabras pastando num cam­po e só uma ovelhinha pastando no meio de todas aqueles animais. 

4 Ao vê-la, comoveu-se muito e disse ao irmão: “Vês aquela única ovelhinha andando entre os bodes e as cabras? 

5 Foi assim que Nosso Senhor Jesus Cristo, inocente, manso e humilde andou no meio de escribas, fariseus e príncipes dos sacerdotes. 

6 Por isso, filho caríssimo, paguemos o preço e tiremo-la do meio (Sl 135,11) do rebanho das cabras”.

 

42. 

1 Como não tinham mais nada para resgatar a ovelha a não ser pobres túnicas, eis que passou comerciante, que se ofereceu de boa vontade para isso: pagou o preço e deixou a ovelha para o santo. 

2 Feliz, ele a levou consigo para a cidade de Ósimo, para onde se ia, e foi ao bispo do lugar para se hospedar. 

3 De início, o bispo se admirou que ele trouxesse a ove­lha; mas Francisco começou a contar uma longa parábola sobre ela, até que o próprio bispo deu graças ao Altíssimo, não pouco im­pressionado com tanta simplicidade e pureza do homem de Deus. 

4 No dia seguinte, o homem de Deus dirigiu-se a um mosteiro de monjas, em San Severino, e confiou a ovelhinha às servas de Cristo. 

5 Elas, por reverência ao santo, a aceitaram. Cheias de devoção, elas a alimentaram com cuidado por muito tempo, até que, com sua lã, conseguiram tecer uma túnica, que doaram ao santo como dom do Frei Ovelhinha”.

 

43. 

1 Noutra.ocasião, passando também pelas Marcas em companhia do mesmo frade, no caminho encontrou um homem que levava aos ombros dois cordeirinhos para vender. 

2 Quando o bom pai os ouviu balir, suas en­tranhas se enterneceram (1Rs 3,26) lá dentro e, aproximando-se, abraçou-os docemente como uma mãe faz com os filhos que cho­ram. 

3 E disse ao homem: “Por que maltratas os meus irmãos cordeirinhos, assim amarrados e pendurados?” 

4 O ho­mem respondeu que os levava ao mercado, porque precisava do dinheiro. Perguntando-lhe o santo o que aconteceria depois, o ho­mem respondeu que seriam mortos. O santo, então, exclamou: 

5 “Isso não pode acontecer! Toma antes o manto que estou vestindo e dá-me os meus irmãos cordeirinhos!” 

6 De boa vontade, o homem concordou, 

7 pois o manto valia muito mais. Era um manto que o servo de Deus, por causa do frio, tomara emprestado de um fiel, naquele mesmo dia. 

8 Assim que recebeu os cordeirinhos, começou a pensar o que fa­ria deles; 

9 finalmente, depois de conversar com o irmão que o acompanhava, resolveu confiá-los ao mesmo homem, mandando severamente que de forma alguma os vendesse ou os tra­tasse mal.

 

44. 

1 Mas não era só por esse tipo de animais e criaturas mais nobres que ele tinha esse afeto de compaixão; fazia o mesmo com outros vis e diminutos. 

2 Como sobre o Salvador se lê: Eu sou um verme, e não um homem (Sl 21, 7), muitas vezes recolhia os vermezinhos da es­trada, para não serem pisados. 

3 E também, para que durante o inverno as abelhas não mor­ressem, acontecia de mandar preparar-lhes vinho ou mel. 

4 Observava com atenção não só a operosidade delas, mas também a das outras criaturas e atribuía à glória do Criador tudo o que nelas pu­desse suscitar admiração, prazer ou qualquer valor. 

5 Quanto calculas que no sol, na lua, no firmamento e nas estrelas, ou nos elementos e em seus efeitos ou adornos ele hauriu de doçura e graça contemplando em tudo o poder, a sabedoria e a bondade do Criador de tudo? 

6 Creio que não existe um mortal capaz de expressá-lo em pala­vras. 

7 E como atribuía tudo ao  único Princípio, podia cha­mar cada coisa de “irmão” e, nos seus constantes louvores, convidava todas as coisas a louvar o único Criador. 

8 Ele, porém, ao invocar o nome do Senhor (2Tm 2,19), se elevava acima de qualquer inteligência humana, parecendo todo júbilo, todo pertencente a outro mundo. 

9 Por isso, mostrava também tanta reverência pelo nome do Salvador que, sempre e onde quer que o encontrasse de forma indigna, devotamente o recolhia e o colocava em lugar de respeito, 

10 para que ali não fi­cassem palavras ou nomes divinos ou até as letras com as quais eles são escritos.

 

45. 

1 E até que ponto crês que fervia o ardor de sua compaixão pelos pobres, se tinha tanta doçura e compaixão não só pelos animais irracionais, mas também pelas criaturas insensíveis e ínfimas?

 2 Pois este verdadeiro patriarca dos pobres desejava ser realmen­te o mais pobre de todos; e mesmo que não desejasse possuir mais do que uma mísera túnica, nem com essa única necessidade poupou a si mesmo se, várias vezes, esteve pronto a cedê-la a quem precisasse. 

3 Durante o inverno, pedia emprestadas aos ricos várias peças de roupa, que eles davam com a maior boa vontade sem obrigação de restituí-las; ele aceitava e depois dava, no frio, aos primeiros pobres que encontrava. 

4 Para ele era muito grave quando via que por palavra ou ato algum pobre era molestado. 

5 Pois, uma vez, ouvindo um irmão insultar um pobre com essas palavras: “Será que não estás apenas aparentando pobreza!” 

6ele o repreendeu mais duramente e mandou que se lançasse despido diante do pobre, lhe beijasse os pés e, humildemente, lhe pedisse perdão. 

7 Dizia: “Quem injuria um pobre ofende a Cristo, de quem é um nobre sinal, já que volun­tariamente ele se fez pobre por nós neste mundo”. 

8 Ele próprio, mesmo reduzido a um mínimo de forças corpo­rais, carregava muitas vezes o fardo dos pobres sobre os ombros. 

9 Por piedoso zelo para com eles, fazia freqüentemente muitas outras coisas desse jeito, que, se não por querermos ser breves, seria bom escrever.