Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

Capítulo XXIV

Texto Original

Caput XXIV

Quomodo quidam iuvenis, qui multas ceperat turtures, rogatus a s. Francisco, donavit eas sibi, et quomodo fecit eis nidum.

 

1 Quidam puer in civitate Senensi tempore b. Francisci cepit in aucupio magnam turturum quantitatem, et illas vivas, ut venderet, asportavit.
2 Sanctus autem Franciscus, sicut semper erat pietate plenus et specialiter ad mansueta animalia mirabiliter compassivus, turtures illas aspiciens, compassione permotus, ait:
3 “O bone iuvenis, rogo te, quod ipsas michi tradas, ut aves tam innocentes, quibus in Scriptura assimilantur anime caste, humiles et fideles, non veniant in manu crudelium occisorum”. 
4 Ille autem, statim inspiratus a Deo, omnes illas turtures simplices tradidit b. Francisco. Quas cum pius pater Franciscus sumpsisset in gremio, cepit eis dulcissime alloqui, dicens: “O sorores mee turtures, simplices, innocentes et caste, quare permisistis vos capi? 5 Sed ego volo vos eripere a morte et facere vobis nidos, ut fructificetis et mandatum Creatoris quod multiplicemini compleatis”. Et abiit s Franciscus et fecit nidum omnibus illis turturibus.
6 Ille vero, nidos tollentes a b. Francisco compositos, pullificabant coram fratribus et crescebant; et tantam familiaritatem s. Francisco et ceteris fratribus ostendebant, quod videbantur quasi galline, semper a fratribus enutrite; et nunquam a fratribus recesserunt, donec s. Franciscus dedit illis cum benedictione licentiam. 
7 Puero autem illi, qui turtures dederat, dixit s. Franciscus: “Fili, tu adhuc eris fr. Minor, et servies gratioso D.n. Ihesu Cristo”. Et ita fuit; nam sicut ei s. Franciscus predixerat, factus est postea fr. Minor, et vitam duxit in Ordine usque in finem moribus exemplarem et multum laudabilem; ita quod s. Franciscus, non solum illis aviculis vite presentis solatia procuravit, sed etiam illi iuveni eterne vite gaudia procuravit. Ad laudem et gloriam, etc.

Texto Traduzido

Caput XXIV

Como um jovem, que tinha caçado muitas rolinhas, deu-as a São Francisco, a pedido dele, e como lhes fez um ninho.

 

1 No tempo de São Francisco, um menino da cidade de Sena pegou em um alçapão uma grande quantidade de rolinhas, e as levou vivas para vender.
2 Mas São Francisco, como era sempre cheio de piedade e especialmente compassivo com os animais mansos, vendo as rolinhas, movido de compaixão, disse:
3 “Ó bom rapaz, eu te peço que as entregues a mim, para que aves tão inocentes, a quem são comparadas na Escritura as almas castas, humildes e fiéis, não caiam na mão de cruéis matadores”.
4 E ele, inspirado na hora por Deus, entregou todas aquelas rolinhas simples ao bem-aventurado Francisco. Quando o piedoso pai Francisco pegou-as em seu regaço, começou a falar-lhes com doçura, dizendo: “Ó minhas irmãs rolinhas, inocentes e castas, porque vos deixaste pegar? 5 Mas eu quero livrar-vos da morte e fazer ninhos para vós, para que frutifiqueis e cumprais a ordem do Criador de que deveis multiplicar-vos”. E São Francisco foi e fez ninho para todas aquelas rolinhas.
6 E elas, pegando os ninhos feitos pelo bem-aventurado Francisco, tinham muitos filhotes diante dos frades e cresciam. E demonstravam tanta familiaridade com São Francisco e com os outros frades que pareciam como galinhas, sempre alimentadas pelos frades. E nunca se afastaram dos frades enquanto São Francisco não lhes deu permissão com uma bênção.
7 Ao menino que lhe dera as rolinhas, São Francisco disse: “Filho, tu ainda vais ser um frade menor, e servirás ao nosso gracioso Senhor Jesus Cristo”. 8 E assim aconteceu, pois, como São Francisco lhe predissera, fez-se mais tarde frade menor e viveu na Ordem até o fim, exemplar e muito louvável por seus costumes. De modo que São Francisco, não só buscou as consolações da vida presente para aqueles passarinhos, mas também buscou os gozos da vida eterna para aquele jovem. Para o louvor e glória, etc.