Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

Capítulo XVIII

Texto Original

Caput XVIII

Qualiter mors s. Francisci fuit revelata domine Iacobe de SeptemsolIis, et quomodo ipsi b. Francisco fuit revelata certitudo eterne salutis.

 

1 Quando b. Franciscus aliquot diebus ante mortem in palatio episcopi Assisinatis decumbebat infirmus, et cum aliquibus suis sociis frequenter quasdam Dei laudes ex devotione cantabat; et si ipse propter infirmitatem cantare non posset, imponebat sepe sociis ut cantarent. 
Assisinates autem, timentes ne tam carum thesaurum contingeret extra Assisium possideri, faciebant a multis armatis die noctuque dictum palatium sollicite custodiri. 
Viro autem sancto ibidem in infirmitate per dies plurimos decubante, quidam de sociis dixit eii “Pater, tu scis quod isti de civitate habent in te magnam fidem et te reputant sanctum virum; et ideo possunt cogitare quod si in te esset sanctitas, ut ab omnibus dicitur, deberes cogitare de morte, dum ita graviter infirmaris, et magis plangere quam cantare. Nam iste cantus laudum quem hic facimus auditur a multis, quia palatium istud propter te custoditur a magna multitudine armatorum, ita forte quod ipsi haberent malum exemplum. 5 Unde credo quod bene faceremus si recederemus hinc et rediremus omnes ad S. Mariam de Angelis, quia non stamus bene hic inter seculares personas”. 
6 Respondit s. Franciscus hoc sibi dicenti: “Carissime, tu scis quod iam sunt duo anni, dum staremus Fulginii, quod Dominus revelavit tibi terminum vite mee. Revelavit insuper michi quod ad paucos dies, scilicet in ista infirmitate, dictus terminus finietur; et in ipsa revelatione fecit me Deus certum de remissione omnium peccatorum et de beatitudine paradisi. 8 Usque ad revelationem autem illam ego flevi de morte et de peccatis meis; sed postquam facta fuit michi ista revelatio, tanto repletus sum gaudio, amplius plorare non possum, sed semper in letitia maneo. 9 Et propterea ego canto et cantabo Deo, qui bona gratietribuit michi (cfr.  Ps 12,6) et certum me fecit de bonis glorie paradisi. De recessu vero de loco isto bene assentio; sed paretis vos ad me deferendum, quia ego propter infirmitatem ambulare nequeo”.
10 Fratres ergo predicti ipsum in brachiis detulerunt et cum magna comitiva pergebant usque ad S. Mariam de Angelis. 11 Cum autem pervenissent ad hospitale quod est in itinere, interrogavit s. Franciscus si adhuc ibi esset, quia ipse, caligantibus oculis, ex penitentia et fletu preterito plene videre non poterat.
12 Cum didicisset ergo quod ad hospitale esset, fecit se poni in terram et dixit: “Vertatis me versus Assisium”. 13 Et stans in via, facie ad civitatem versa, benedixit illam multis benedictionibus, dicens: “Benedicta tu a Domino, quia per te multe anime salvabuntur, et in te multi servi Altissimi habitabunt, et de te multi eligentur ad regnum eternum”. Et hiis dictis, fecit se portari, ut prius.
14 Cum autem pervenisset ad S. Mariam et depositus esset in infirmaria, vocavit unum de sociis et dixit illi: “Carissime, Dominus revelavit michi quod in ista infirmitate usque ad talem diem moriar; et scis quod domina Iacoba de Septemsoliis, devota Ordinis nostri carissima, si mortem meam sciret et non interesset, valde inconsolabiliter tristaretur. 15 Ne ergo turbetur, significemus sibi quod, si vult me videre vivum, statim Assisium veniat”. Respondit ille: “Bene dicis, pater; quia, propter magnam devotionem quam ad te habet, esset valde inconveniens quod ipsa non esset in morte tua”.
16 Dixit ergo b. Franciscus: “Porta michi cartam et pennam, et scribe sibi sicut ego dicam tibi”. Et ille incepit scribere: “Domine Iacobe, serve Altissimi, fr. Franciscus, pauperculus Cristi, salutem et societatem Spiritus sancti in D. Ihesu Cristo. 17 Scias, carissima, quod michi Cristus benedictus per suam gratiam vite mee terminum futurum in proximo revelavit. Quapropter si vis invenire me vivum, visis litteris, ad S. Mariam de Angelis venire festina. 18 Nam si usque ad talem diem non veneris, me vivum invenire non poteris. Et porta tecum pannum cilicinum in quo corpus meum involvas, et ceram pro sepultura. 19 Rogo etiam quod portes michi de illis comestibilibus que michi consuevisti dare quando infirmabar Rome”.
20 Dum vero hec scriberentur, ostensum est in Spiritu sancto s. Francisco, quod domina Iacoba veniebat ad eum et secum ducens omnia predicta portabat. 21 Unde statim dixit scribenti: “Non scribas amplius, quia non oportet, et litteram ipsam reponas”. Et mirati sunt universi quare litteram non permittebat compleri.
22 Et ecce, facto modici temporis intervallo, domina Iacoba sonavit ad portam; ad quam cum ivisset portarius, invenit dictam dominam Iacobam, nobilissimam romanam, cum duobus filiis senatoribus et militum maxima comitiva, que veniebat ad s. Franciscum. 23 Et portabat secum omnia illa que s. Franciscus scribebat in littera. Revelaverat enim Deus ipsi domine Iacobe dum oraret Rome, tam mortem s. Francisci futuram in proximo, quam res illas quas postulabat in littera. 24 Portavit insuper tantam copiam cere quod, non solum ad sepulturam, sed etiam in missis et supra corpus sancti per multos dies omnibus copiosissime ministravit.
25 Quando vero dicta domina intravit ad s. Franciscum adhuc viventem, maximam consolationem ex visione mutua perceperunt. 26 Procidens autem illa ad illos pedes divinis caracteribus consignatos, tantam ibi accepit consolationem et gratiam et copiam lacrimarum, 27 quod, sicut Magdalena pedes Domini lacrimis lavit, et devotissime amplexando et geminando oscula circumquaque quasi alterius Cristi pedibus (cfr. Luc 7,44-45) fidelia labia imprimebat, ita quod fratres a pedibus sancti non potuerunt illam avellere. 
28 Tandem vero ducta seorsum et interrogata quomodo sic venisset ordinate, respondit quod, cum Rome oraret in nocte, audivit vocem de celo dicentem: “Si vis s. Franciscum invenire viventem, statim absque mora vadas Assisium, 29 et porta tecum illa que infirmanti dare solebas et que erunt etiam necessaria sepulture”.
30 Domina vero Iacoba stetit donec s. Franciscus migravit et ad corpus eius mirabilem honorem exhibuit. Et post aliquale tempus ob devotionem sancti Assisium venit, 31 et ibidem in s. penitentia et virtuosa conversatione dies suos finiens, fecit se apud ecclesiam s. Francisci sepeliri. Amen.

Texto Traduzido

Caput XVIII

Como a morte de São Francisco foi revelada a dona Jacoba de Settesoli, e ao próprio bem-aventurado Francisco foi revelada a certeza da salvação eterna.

 

1 Quando o bem-aventurado Francisco, alguns dias antes da morte, jazia enfermo no palácio do bispo de Assis, cantava freqüentemente por devoção os louvores de Deus com alguns de seus companheiros. E se não podia cantar ele mesmo, por causa da doença, mandava muitas vezes que os companheiros cantassem. 2 Mas os assisienses, com medo que acontecesse que tão precioso tesouro caísse nas mãos de alguém fora de Assis, faziam com que o palácio fosse guardado solicitamente, dia e noite, por muitos homens armados.
3 Quando o homem santo já estava aí acamado por muitos dias, um dos companheiros lhe disse: “Pai, tu sabes que as pessoas desta cidade têm muita confiança em ti e te julgam um homem santo. Por isso podem pensar que, se houvesse em ti santidade, como todos dizem, deverias pensar na morte, pois estás gravemente enfermo, e mais chorar do que cantar. 4 Pois este canto de louvores, que aqui cantamos, é ouvido por muita gente, porque este palácio, por tua causa, está sendo guardado por uma enorme multidão de homens armados, de modo que eles poderiam ter um mau exemplo. 5 Por isso eu acho que seria bom nós sairmos daqui e voltarmos todos para Santa Maria dos Anjos, porque aqui não estamos bem entre pessoas seculares”.
6 São Francisco respondeu a quem lhe dizia isso: “Caríssimo, tu sabes que dois anos atrás, quando estávamos em Foligno, o Senhor te revelou o termo de minha vida. 7 Revelou também a mim que, dentro de poucos dias, isto é, nesta doença, esse termo vai acabar. E na mesma revelação Deus me assegurou da remissão de todos os pecados e da felicidade no paraíso. 8 Até aquela revelação, eu chorei por minha morte e meus pecados; mas, depois que me foi feita essa revelação, fiquei cheio de tanto gozo, que nosso posso mais chorar: fico sempre na alegria. 9 Por isso eu canto e vou cantar a Deus, que me deu os bens da graça (cfr. Ps 12,6) e me certificou sobre os bens do paraíso. Quanto a sair deste lugar, estou de acordo: preparai-vos vós para me levar, porque, pelas doenças, não posso andar”.
10 Por isso os referidos frades levaram-no em seus braços e foram com uma grande comitiva até Santa Maria dos Anjos. 11 Quando chegaram ao hospital que há no caminho, São Francisco perguntou se ainda estava ali, porque ele mesmo, com os olhos enfraquecidos pela penitência e o pranto passado, não podia enxergar bem.
12 Quando ficou sabendo que estava junto do hospital, fez com que o pusessem no chão e disse: “Virai-me na direção de Assis”. 13 Parado no caminho, com o rosto voltado para a cidade, abençoou-a com muitas bênçãos, dizendo: “Abençoada sejas pelo Senhor, porque por ti muitas almas se salvarão, e em ti vão morar muitos servos do Altíssimo, e de ti muitos serão escolhidos para o reino eterno”. Dizendo isso, mandou que o carregassem como antes.
14 Quando chegaram a Santa Maria e o colocaram na enfermaria, chamou um dos companheiros e lhe disse: “Caríssimo, o Senhor me revelou que, nesta doença, até tal dia, vou morrer; e sabes que dona Jacoba de Settesoli, devota caríssima de nossa Ordem, teria uma tristeza bem inconsolável se soubesse da minha morte e não estivesse presente. 15 Por isso, para que não se perturbe, vamos fazê-la saber que, se quiser me ver vivo, venha imediatamente para Assis”. Ele respondeu: “Está certo, pai, porque, pela grande devoção que tem por ti, seria muito inconveniente que ela não estivesse presente na tua morte”.
16 Então, o bem-aventurado Francisco disse: “Traz-me papel e pena, e escreve o vou te dizer”. E ele começou a escrever: “A dona Jacob, serva do Altíssimo, Frei Francisco, pobrezinho de Cristo deseja saúde e a união do Espírito Santo no Senhor Jesus Cristo. 17 Saibas, caríssima, que o Cristo bendito, por sua graça, revelou que logo vai chegar o termo de minha vida. Por isso, se me queres encontrar vivo, quando ler esta carta venha depressa para Santa Maria dos Anjos. 18 Porque se não chegares até tal dia, não poderás me encontrar vivo. E traz contigo um pano de cilício para envolver meu corpo, e velas para a sepultura. 19 Peço também que me tragas daquelas comidas que costumavas dar-me quando estive doente em Roma”.
20 Mas, enquanto essas coisas estavam sendo escritas, foi anunciado a São Francisco que dona Jacoba vinha vindo a ele e trazia consigo tudo que dissemos. 21 Então disse imediatamente para o que escrevia: “Não escrevas mais, porque não é preciso, e guarda a carta”. Todos ficaram admirados porque ele não deixou terminar a carta.
22 E eis que, passado um pouco de tempo, dona Jacoba tocou à porta. Quando o porteiro chegou lá, encontrou a referida dona Jacoba, nobilíssima romana, com dois filhos senadores e a maior comitiva de soldados, que vinha ver São Francisco. 23 E levava consigo todas aquelas coisas que São Francisco tinha escrito na carta. Pois o próprio Deus revelara a dona Jacoba, quando estava orando em Roma, tanto a morte próxima de São Francisco quanto aquilo que pedia na carta. 24 Levou, além disso, tantas velas que serviram não só para a sepultura mas também nas missas e sobre o corpo do santo por muitos dias, com abundância.
25 Mas quando a referida senhora entrou onde estava São Francisco, ainda vivo, perceberam que tinham tido a maior consolação por causa das mútuas visões. 26 Quando ela se prostrou diante daqueles pés marcados pelos sinais divinos, recebeu aí enorme consolação, graça e abundância de lágrimas, 27 que, como a Madalena lavou com lágrimas os pés do Senhor, abraçou-os com toda devoção, beijando repetidamente por todos os lados, como se fossem os pés de um outro Cristo (cfr. Lc 7,44-45), imprimindo seus lábios fiéis de modo que os frades não conseguiram afasta-la.
28 Finalmente, levantada e interrogada sobre como tinha vindo assim prevenida, respondeu que, quando estava orando em Roma de noite, ouviu uma voz do céu que dizia: “Se queres encontrar São Francisco vivo, vai imediatamente para Assis, sem demora, 29 e leva contigo aquelas coisas que costumavas dar-lhe quando estava doente e também as que vão ser necessárias para o sepultamento”.
30 Dona Jacoba ficou até que São Francisco migrou e demonstrou admirável honra por seu corpo. Depois de algum tempo, por devoção ao santo, veio para Assis, 31 e aqui acabou seus dias, em santa penitência e virtuoso comportamento, e fez com que a sepultassem na igreja de São Francisco. Amém.