Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

Capítulo 118

Texto Original

Caput 118

De singulari amore quem habuit ad aquam et petras et ligna et flores.

 

1 Post ignem singulariter diligebat aquam, per quam figuratur sancta paenitentia et tribulatio, quibus sordes animae abluuntur; et quia prima ablutio animae fit per aquam baptismi. Unde quando lavabat sibi manus eligebat talem locum ut aqua quae cadebat in terram non conculcaretur pedibus. 3 Super petras etiam cum oporteret eum ambulare, cum magno timore et reverentia ambulabat, amore illius qui dicitur petra; unde quando dicebat illud psalmi: In petra exaltasti me (cfr. Ps 60,3)dicebat ex magna reverentia et devotione: “Subtus pedes petrae exaltasti me”.
4 Fratri etiam qui faciebat et parabat ligna pro igne dicebat ut nunquam totam arborem incideret, sed taliter incideret tales arbores quod semper aliqua pars remaneret integra, amore illius qui salutem nostram in ligno crucis voluit operari.
5 Similiter etiam fratri qui faciebat hortum dicebat ut non totam terram coleret solummodo pro herbis comestibilibus, 6 sed aliquam partem terrae dimitteret, ut produceret herbas virentes quae temporibus suis producerent fratres flores, amore illius qui dicitur floscampi et lilium convallium (cfr. Cant 2,1),
7 Immo dicebat quod frater hortolanus deberet semper facere pulchrum horticellum ex aliqua parte horti, ponens et plantans ibi de omnibus odoriferis herbis et de omnibus herbis quae producunt pulchros flores, 8 ut tempore suo invitarent omnes ad laudem Dei qui illas herbas et illos flores inspicerent. 9 Omnis enim creatura dicit et clamat: “Deus me fecit propter te, homo”.
10 Unde nos qui cum illo fuimus (cfr. 2Pet 1,18) in tantum videbamus ipsum interius et exterius laetari quasi in omnibus creaturis, quod ipsas tangendo vel videndo non in terra sed in caelo ejus spiritus videbatur. 11 Et propter multas consolationes quas habuit et habebat in creaturis, parum ante obitum suum composuit et fecit quasdam Laudes Domini de creaturis suis, 12 ad incitandum corda audientium eas ad laudem Dei, et ut ipse Dominus in creaturis suis ab hominibus laudaretur.

Texto Traduzido

Caput 118

O especial amor que teve pela água e as pe­dras e pelas árvores e flores.

 

1 Depois do fogo, amava particularmente a água, na qual temos uma figura da santa penitência e da tribulação, pelas quais se lavam as sujeiras da alma e porque é pela água do batismo que a alma começa a ser lavada. 2 Por isso, quando lavava as mãos, escolhia um lugar em que a água que caía no chão não fosse calcada pelos pés. 3 Até quando tinha que caminhar sobre as pedras, andava com grande temor e reverência, por amor daquele que é chamado de pedra. Por isso, quando recitava o salmo: Sobre a pedra me elevaste (Sl 60,3), dizia com grande respeito e devoção: “Sob os pés da pedra me exaltastes”.
4 Também ao irmão que cortava e preparava a lenha para o fogo, recomendava que nunca derrubasse toda a árvore, mas que cortasse essas árvores de forma a sempre deixar íntegra alguma parte dela, por amor daquele que quis realizar a nossa salvação no lenho da cruz.
5 Igualmente recomendava ao frade que trabalhava na horta que não cultivasse toda a terra somente com ervas comestíveis, 6 mas deixasse livre alguma parte de terra, para que produzisse er­vas verdejantes que, a seu tempo, produzissem flores aos irmãos, por amor daquele que é chamado de flor dos campos e lírio dos vales (cf. Ct 2,1).
7 E até dizia que o frade hortelão devia fazer sempre um belo canteiro em alguma parte da horta, pondo e plantando ali todas as ervas odoríferas e todas as ervas que produzem belas flores, 8 para que, a seu tempo, convidassem a louvar a Deus todos aqueles que vissem essas ervas e essas flores. 9 Pois toda criatura diz e clama: “Deus me fez para ti, ó homem”.
10 Por isso, nós que vivemos com (cf. 2Pd 1,18) ele vimos que ele se alegrava tanto interior e exteriormente com quase todas as criaturas que, tocando-as ou vendo-as, que seu espírito parecia não estar na terra, mas no céu. 11 E, por causa das muitas conso­lações que teve e tinha nas criaturas, pouco antes de sua morte, compôs e fez alguns Louvores do Senhor por suas criatu­ras, 12 para estimular ao louvor de Deus os corações dos ouvintes e para que o próprio Deus fosse louvado pelos homens nas suas criaturas.