Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

Capítulo XXVI

Texto Original

Caput XXVI

Quomodo locum s. Mariae de Portiuncula, obsessum a demonibus, nullus poterat tamen intus intrare.

 

Cum s.p.n. Franciscus in loco Portiuncule orationi vacaret, vidit totum locum tanquam a magno exercitu circumdatum et obsessum demonibus. 2 Nullus tamen eorum in loco intrare valebat, eo quod fratres illi tante sanctitatis existerent quod ad quem intrarent aditum non habebant.
3 Interim vero quidam frater, qui illic morabatur, per iram et impatientiam vitiose commotus, accusationes et vindictas contra quemdam fr. socium fabricabat; propter quod ostio virtutis abiecto et aperta nequitie ianua, viam intrandi diabolo prebuit. 4 Et statim, vidente s. Francisco, unus illorum demonum intravit in locum et dictum fratrem tanquam victum victor aggreditur.
5 Pius autem pater et pastor, qui super curam sui gregis fidelissime vigilabat, advertens intrasse lupum ad unam de suis oviculis devorandam, et sciens in spiritu ovem in tanto periculo positam, fecit fratrem predictum cursu celerrimo advocari. Et ille cum obedienter cucurisset ad pastorem sollicitum, precepit ei b. pater ut statim detegeret fabricatum venenum, quod contra proximum in corde servabat, propter quod erat traditus in manibus (cfr. Mat 26,45) inimici. 
7 Ille vero territus vulnus detexit, culpam recognovit et veniam cum penitentia humiliter requisivit. Quo facto, absolutus a culpa et imposita penitentia, statim coram s. patre diabolus aufugit. 8 Ovis vero, erepta de faucibus bestie truculente, s. protegente pastore, Deo et b. Francisco, gratias retulit, et cum gaudio ad s. gregis collegium rediens, doctus deinceps tam funesta vitare pericula, in bona sanctitate finivit.
Ad laudem et gloriam D. n. Ihesu Cristi. Amen.

Texto Traduzido

Caput XXVI

Como o lugar de Santa Maria da Porciúncula estava cercado pelos demônios, mas nenhum deles podia entrar lá dentro.

 

1 Uma vez em que nosso pai São Francisco estava em oração no lugar da Porciúncula, viu todo o lugar rodeado e possuído pelos demônios, como por um grande exército. Mas nenhum deles conseguia entrar no lugar, porque aqueles frades viviam numa santidade tão grande que os demônios não tinham entrada em nenhum deles.
3 Entretanto, como um dos frades que lá morava, movido viciosamente pela ira e impaciência, tramava acusações e vinganças contra um frade seu companheiro, deixou de vigiar a entrada da virtude e abriu a porta para o diabo. 4 São Francisco viu que, na mesma hora, um dos demônios entrou e agrediu o frade como faz um vencedor com o vencido.
5 Então, o piedoso pai e pastor, que vigiava com toda a fidelidade tomando cuidado de seu rebanho, percebendo que o lobo tinha entrado para devorar uma de suas ovelhinhas, e sabendo espiritualmente que a ovelha estava em tão grande perigo, mandou chamar o frade com a maior rapidez. 6 Como ele veio correndo obedientemente para se apresentar a seus solícito pastor, o bem-aventurado pai mandou que descobrisse imediatamente o veneno fabricado, que ele estava guardando no coração contra o próximo, pelo que estava entregue nas mãos do inimigo (cfr. Mt 26,45). 
7 Aterrorizado, ele descobriu a ferida, reconheceu a culpa e pediu humildemente perdão e penitência. Feito isso, absolvido da culpa e imposta a penitência, o diabo fugiu na mesma hora diante do santo pai. 8 A ovelha, arrancada das fauces da fera truculenta pela proteção do santo pastor, agradeceu a Deus e ao bem-aventurado Francisco e, voltando com alegria para o meio do santo rebanho, aprendeu a evitar daí em diante tão funestos perigos, e terminou em boa santidade.
Para o louvor e glória de nosso Senhor Jesus Cristo.