Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

Capítulo 136

Texto Original

Caput CXXXVI

Contra male in eremitoriis commorantes, et quod volebat omnia esse comunia.

 

179 
1 Licet hinc sancti caritatem noverimus, quae congaudere iubet successibus dilectorum, illos tamen qui in eremitoriis dissimiliter vivunt, non parum credimus redargutos. 
2 Multi enim locum contemplationis convertunt in otium, et eremiticum ritum, qui animabus perficiendis inventus est, in sentinam transferunt voluptatis. 
3 Talis horum temporum anachoretis constitutio est, vivere unumquemque pro libitu. 
4 Non pro omnibus istud; scimus enim sanctos in carne viventes (cfr. Gal 2,20) optimis eremo legibus vivere. 
5 Scimus et eos qui praecesserunt patres flores solitarios exstitisse. 
6 Utinam non degenerent nostri temporis eremitae ab illa pulchritudine primitiva, cuius iustitiae laus manet aeterna!

 

180 
1 Monens insuper ad caritatem omnes sanctus Franciscus, affabilitatem et domesticam familiaritatem hortabatur ostendere: 
2 “Volo”, inquit, “ut fratres mei filios eiusdem matris ostendant se, et quod tunicam vel chordam, seu quidquid unus petierit, alter liberaliter tribuat. 
3 Libros et placentia quaeque sibi communicent, quin potius cogat unus alterum tollere”. 
4 Ne et in hoc aliquid diceret eorum quae per ipsum non efficeret Christus (cfr. Rom 15,18), primus erat ad haec omnia facienda.

Texto Traduzido

Caput CXXXVI

Contra os que vivem mal nos eremitérios e que queria que todas as coisas fossem comuns.

 

179 
1 Embora tenhamos visto até agora como a caridade do santo se alegrava com os sucessos de seus amados irmãos, sabemos que não deixou de corrigir com energia os que, nos eremitérios, não viviam de acordo. 
2 Porque há muitos que transformam o lugar da contemplação em lugar de ociosidade, fazendo do modo de vida eremítico, inventado para aperfeiçoar as almas, uma sentina de seus maus desejos. 
3 A lei para esses anacoretas de nosso tempo é cada um viver como quer. 
4 Isso não vale para todos: sabemos que há santos que vivem na carne observando as melhores leis nos eremitérios. 
5 Sabemos também que os pais que nos precederam foram flores da solidão. 
6 Oxalá não decaiam os eremitas de nosso tempo daquela primitiva beleza, cujo merecido louvor permanece para sempre!

 

180 
1 Aconselhando todos a serem caridosos, São Francisco também mandava que demonstrassem afabilidade e um tratamento familiar: 
2 “Quero que meus frades mostrem que são filhos da mesma mãe. Que cada um dê com liberalidade ao outro o hábito, o cordão, qualquer coisa que ele pedir. 
3 Ponham em comum os livros e tudo que possam desejar, insistindo até com os outros a que tomem o que precisam”. 
4 E era sempre o primeiro a fazer tudo isso, para que também nessas coisas não viesse a dizer o que já não tivesse sido realizado nele mesmo por Cristo.