Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

Milagres V

Texto Original

Miraculis V

V - De liberatis a vinculis et carceribus.

 

1 
1
 In Romania Graecum cuiusdam domini servientem contigit de furto fallaciter accusari. 
2 Quem dominus terrae in arcto carcere mandavit includi et graviter vinculari, domina vero domus miserta servi (cfr. Mat 18,27), quem indubitanter credebat a culpa sibi imposita innocentem, pro liberatione ipsius apud virum precibus insistebat devotis. 
3 Verum non acquiescente viri sui duritia obstinata, recurrit domina supplex ad sanctum Franciscum et eius pietati voto commendavit insontem. 
4 Protinus affuit miserorum adiutor et virum in carcere positum misericorditer visitavit (cfr. Mat 25,36.43). 
5 Solvit vincula, carcerem fregit, innocentem manibus apprehensum foras eduxit et ait: ”Ego sum ille cui domina tua te devote commisit”. 
6 Cumque ille timore magno corriperetur et pro descensu altissimae rupis voraginem circuiret, subito liberatoris sui virtute inveniens se in plano, rediit ad dominam suam; 
7 relataque per ordinem miraculi veritate, devotam dominam ad Christi amorem et reverentiam servi eius Francisci ferventius inflammavit.

 

2 
1 In Massa Sancti Petri cuidam militi debebat pecuniae quantitatem pauperculus quidam. 
2 Cumque prae inopia facultas non suppeteret persolvendi, captus debitor a milite repetente, misereri sibi orabat suppliciter, dilationem quaerens amore beati Francisci. 
3 Sprevit superbus miles preces oblatas et Sancti amorem veluti inane quid inaniter vilipendit. 
4 Nam cervicose respondens: ”Tali te”, ait, ”loco recludam et tali retrudam carcere (cfr. Gen 41,10), quod nec Franciscus nec aliquis te poterit adiuvare”. 
5 Tentavit quod dixit. Carcerem adinvenit obscurum, in quo hominem vinculatum coniecit. 
6 Paulo post affuit sanctus Franciscus, et fracto carcere ruptisque compedibus, illaesum hominem reduxit ad propria. 
7 Sic fortitudo Francisci, militem praedata superbum, captivum, qui se sibi subiecerat, liberavit a malo (cfr. Mat 6,13; 2Tim 4,18) militisque proterviam mirando miraculo in mansuetudinem commutavit.

 

3 
1 Albertus de Aretio, cum in vinculis arctissimis teneretur pro debitis iniuste ab eo petitis, suam innocentiam sancto Francisco humiliter commendavit. 
2 Ordinem quidem fratrum Minorum plurimum diligebat et sanctum Franciscum inter Sanctos speciali venerabatur affectu. 
3 Dixit autem creditor suus voce blasphema, quod nec Franciscus nec Deus posset eum de suis manibus liberare (cfr. Dan 3,17). 
4 Factum est itaque in vigilia sancti Francisci, cum vinctus ille nihil comedisset, sed ob Sancti amorem victum suum cuidam tribuisset egeno, nocte veniente apparuit ei vigilanti sanctus Franciscus. 
5 Ad cuius ingressum vincula de pedibus et catenae de manibus ceciderunt, sponte aperta sunt (cfr. Act 12,7.10) ostia, prosilierunt tabulae de solario, et liber abscessit homo ad propria rediens. 
6 Implevit ex tunc votum ieiunans vigiliam beati Francisci et cereo, quem annuatim consuevit offerre, in accrescentis devotionis indicium annuatim unam unciam superaddens.

 

4 
1 Residente in sede beati Petri domino Gregorio Nono, quidam Petrus nomine de civitate Alifia, de haeresi accusatus, Romae captus est et de mandato eiusdem Pontificis, ad custodiendum traditus episcopo Tiburtino.
2 Quem sub poena episcopatus accipiens, compedibus alligavit obscuroque ipsum carcere, ne posset effugere, fecit includi, panem ei praebens in pondere et poculum in mensura (cfr. Ez 4,16). 
3 Coepit autem homo ille beatum Franciscum ad sui miserendum multis precibus et fletibus invocare, eo quod audierat solemnitatis eius iam adesse vigiliam. 
4 Et quoniam fidei puritate omnem abdicaverat haereticae pravitatis errorem totaque cordis devotione adhaeserat fidelissimo Christi servo Francisco, intercedentibus ipsius meritis, a Domino meruit exaudiri. 
5 Instante enim iam nocte suae festivitatis, circa crepusculum beatus Franciscus in carcerem miseratus descendit et illum suo nomine vocans, ut cito surgeret, imperavit. 
6 Qui timore perterritus (cfr. 1Par 10,4), quisnam esset, interrogans, beatum Franciscum adesse audivit. 
7 Cumque virtute praesentiae viri sancti vincula pedum suorum confracta conspiceret cecidisse, et tabulas carceris clavis ultro prosilientibus aperiri, et apertum iter sibi ad exeundum praeberi: solutus tamen et obstupefactus fugere nesciebat, sed ad ianuam clamans, custodes omnes perterruit. 
8 Qui cum eum liberatum a vinculis episcopo nuntiassent, post intellectum ordinem rei, ad carcerem pontifex devotus accessit, et manifeste Dei virtutem cognoscens, ibidem Dominum adoravit (cfr. Mar 5,30; Gen 24,26). 
9 Vincula quoque coram domino Papa et cardinalibus delata fuerunt, qui, videntes quod factum fuerat (cfr. Luc 23,47), admirati plurimum benedixerunt Deum (cfr. Luc 23,47).

 

5 
1 Guidolottus de Sancto Geminiano falso accusatus fuit, quod veneno interemerat quemdam virum et quod eodem genere mortis filium eiusdem viri et universam eius familiam proposuerat enecare. 
2 Captus proinde a potestate terrae, gravissimis vinculis aggravatus, in turri quadam reclusus est. 
3 Ipse vero fiduciam habens in Domino, pro sua innocentia, quam sciebat, causam commisit beati Francisci patrocinio defendendam. 
4 Excogitante igitur potestate, qualiter criminis obiecti confessionem eliceret per tormenta qualibusque poenis confessum faceret interire, nocte illa, cum mane ad cruciatus deberet adduci, sancti Francisci praesentia exstitit visitatus et immenso luminis fulgore usque mane circumdatus repletusque gaudio ((cfr. Ps 125,2) et fiducia multa, securitatem evasionis accepit. 
5 Advenerunt mane tortores et eductum de carcere equuleo suspenderunt, aggravantes super eum multa pondera ferri. 
6 Depositus est pluries et iterum elevatus, ut, poena poenae succedente, citius ad confessionem criminis arceretur. 
7 Sed spiritu innocentiae laetabatur in vultu, nullam moestitiam praetendens in poenis. 
8 Deinde accensus est ignis sub ipso non modicus, nec propterea capillus est laesus, cum tamen capite dependeret ad terram. 
9 Tandem bulliente oleo superfusus, virtute patroni cui se commiserat defensandum, haec omnia superavit et sic dimissus liber, salvus abscessit.

Texto Traduzido

Miraculis V

V – Sobre os libertados de cadeias e cárceres.

 

1 
1
 Na România, aconteceu que um grego, que servia a um senhor, foi acusado falsamente de furto. 
2 O dono da terra mandou fechá-lo num cárcere apertado e acorrenta-lo pesadamente. Mas a dona da casa, compadecida do servo, a quem considerava sem dúvida inocente, insistia com preces piedosas junto de seu marido para libertá-lo. 
3 Mas como a dureza teimosa de seu marido não concordou, a senhora recorreu suplicante a São Francisco, e, por um voto, recomendou o inocente à sua piedade. 
4 Acudiu logo o protetor dos miseráveis e visitou misericordiosamente o homem colocado no cárcere. 
5 Soltou as correntes, arrebentou o cárcere, pegou o inocente pelas mãos e levou-o para fora, dizendo: “Eu sou aquele a quem tua senhora recomendou devotamente”. 
6 Ele ficou com muito medo e, como tinha que descer de uma rocha altíssima, precisava ir pela beira de um precipício, de repente, por virtude de seu libertador, percebeu que já estava no chão e voltou para sua senhora. 
7 Contou em ordem a verdade do milagre e inflamou a devota senhora mais ferventemente no amor de Cristo e na reverência a seu servo Francisco.

 

2 
1 Em Massa de São Pedro, um pobrezinho devia uma quantia de dinheiro a um cavaleiro. 
2 Como não tinha com que pagar, por sua miséria, o devedor foi preso pelo cavaleiro que exigia o pagamento, e orava suplicantemente para que tivesse pena dele, pedindo um prazo por amor do bem-aventurado Francisco. 
3 O soberbo cavaleiro desprezou as preces e fez pouco do amor do santo como algo sem valor. 
4 Respondeu teimosamente: “Eu vou te colocar num lugar e vou te meter num cárcere em que nem Francisco nem ninguém vai poder te ajudar”. 
5 E tentou o que disse. Encontrou um cárcere escuro, onde jogou o homem acorrentado. 
6 Pouco depois, apresentou-se São Francisco, quebrou o cárcere, rompeu as algemas, e levou o homem ileso para casa. 
7 Assim o poder de Francisco conquistou o soberbo cavaleiro, libertou do mal o prisioneiro que tinha confiado nele e, por um admirável milagre, converteu a protérvia do cavaleiro em mansidão.

 

3 
1 Alberto de Arezzo, estando preso em correntes apertadíssimas por dívidas que lhe pediam injustamente, recomendou humildemente sua inocência a São Francisco. 
2 Ele amava muito a Ordem dos Frades menores e tinha um especial afeto por São Francisco entre os santos. 
3 Mas o seu credor disse, blasfemando, que nem Francisco nem Deus poderiam livrá-lo de suas mãos. 
4 Aconteceu, então que, na vigília de São Francisco, como o preso não comesse nada, mas, por amor do santo, desse a sua comida a um pobre, quando chegou a noite, apareceu-lhe São Francisco, pois estava acordado. 
5 Quando ele entrou, caíram os vínculos dos pés e as algemas das mãos, as portas se abriram sozinhas, despencaram as tábuas do teto e o homem saiu livre, voltando para casa. 
6 Cumpriu, desde então, o voto, jejuando na vigília do bem-aventurado Francisco e, como sinal de sua crescente devoção, cada ano acrescentava uma onça ao círio que costumava oferecer todos os anos.

 

4 
1 Quando ocupava a sé de Pedro o senhor Gregório IX, um certo Pedro, da cidade de Alife, acusado de heresia, foi preso em Roma e, por ordem do mesmo pontífice, foi entregue ao bispo de Tívoli para ser guardado. 
2 O bispo, que o recebeu sob pena de perder o bispado, acorrentou seus pés e fez com que fosse colocado dentro de um cárcere escuro, para não poder fugir, dando-lhe o pão estritamente pesado e a água dentro da medida. 
3 Mas aquele homem começou a invocar o bem-aventurado Francisco com muitas preces e prantos, para que tivesse misericórdia dele, porque tinha ouvido que já era a vigília de sua solenidade. 
4 E como pela pureza da fé já tinha abdicado de todo erro herético e aderira com toda devoção do coração a Francisco, fidelíssimo servo de Cristo, por intercessão de seus méritos, mereceu ser atendido pelo Senhor. 
5 Aproximando-se já a noite de sua festa, na hora do crepúsculo o bem-aventurado Francisco desceu compadecido ao cárcere e, chamando-o pelo nome, mandou que se levantasse depressa. 
6 Ele, com medo, perguntou quem era e ouviu que era o bem-aventurado Francisco que estava presente. 
7 Como pela presença do homem santo visse cair quebrados os vínculos de seus pés, e as tábuas do cárcere se abriam porque os pregos saltavam sozinhos, deixando aberto o caminho para sair, ficou solto mas assustado, sem saber fugir, mas, gritando na janela, aterrorizou os guardas. 
8 Quando eles anunciaram ao bispo que o prisioneiro estava solto das cadeias, depois que entendeu a ordem das coisas, o pontífice se apresentou devoto e, reconhecendo manifestamente a virtude de Deus, aí mesmo adorou a Deus. 
9 Também as cadeias foram levadas diante do Senhor Papa e dos cardeais que, vendo o que acontecera, ficaram muito admirados e bendisseram a Deus.

 

5 
1 Guidoloto de São Geminiano foi acusado falsamente de ter matado com veneno um homem e que se propusera a matar o filho e toda a família dele com o mesmo gênero de morte. 
2 Foi preso pela autoridade do lugar, posto em muito pesadas cadeias e trancado numa torre. 
3 Mas ele tinha confiança no Senhor, porque estava seguro de sua inocência, e encomendou a causa ao bem-aventurado Francisco, para defendê-lo com seu patrocínio. 
4 O podestá estava pensando como faze-lo confessar o crime através de torturas e, quando confessasse, com que penas mandaria matá-lo. Naquela noite, quando deveria ser levado pela manhã para as torturas, foi visitado pela presença de Francisco, e, rodeado por um imenso fulgor luminoso até de manhã, repleto de alegria, de muita confiança, recebeu a segurança da fuga. 
5 De manhã chegaram os torturadores e, tirando-o do cárcere, suspenderam-no no cavalete, carregando sobre ele muitos pesos de ferro. 
6 Foi muitas e muitas vezes levantado e abaixado, para que, com repetidas penas, fosse logo obrigado a confessar o crime. 
7 Mas, pelo espírito de inocência, ficou com o rosto alegre, não demonstrando nenhuma tristeza pelos castigos. 
8 Depois acenderam fogo embaixo dele, e não era pouco, mas nem um cabelo foi lesado apesar de ele estar de cabeça para baixo. 
9 No fim foi-lhe derramado óleo fervendo, mas superou tudo isso pela virtude do patrono a cuja defesa se confiara, saindo livre e salvo.