Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Selecione

Capítulo LVII

Texto Original

Caput LVII

Qualiter fr. Iohannes de Alverna vidit Cristum gloriosum in hostia.

 

1 Eidem fr. Iohanni accidit quoddam mirabile et celebri memoria dignum, sicut retulerunt illi qui fuerunt presentes.
2 Cum enim staret fr. Iohannes predictus in loco Molliani, in Firmana custodia et provincia Marchie, prima die post octavam s. Laurentii, scilicet infra octavam Assumptionis b. Marie virginis, surrexit ante matutinalem horam, et cum magna unctione gratie qua erat preventus a Domino, dixit matutinum cum fratribus. Dictis vero matutinis, perrexit in ortum; quia tam immense dulcedinis et suavitatis habundantiam sentiebat, quod pre magnitudinis gratia, quam gustu mentali habebat in illo verbo dominico, scilicet Hoc est corpus meum, quod emittebat clamores et in corde dicebat: Hoc est corpus meum (Mat 26,26).
In quo verbo illuminatus a Spiritu sancto, apertis mentalibus oculis, videbat Cristum benedictum cum b. virgine Maria et multitudine angelorum et sanctorum; et intelligebat illud apostolicum dictum, quomodo scilicet omnes unum corpus sumus in Cristo, singuli autem alter alterius membra (Roma 12,5); et illud: ut possitis comprehendere cum omnibus sanctis que sit longitudo, latitudo, sublimitas et profundum (Eph 3,18)7 scire etiam supereminentem omni scientie caritatem Cristi (Eph 3,19)quod totum est in isto altissimo sacramento, quod conficitur cum dicitur: Hoc est corpus meum (Mat 26,26). 8 Et facta aurora, sic affectus a gratia, intravit ecclesiam in fervore spiritus anxiando, putans a nullo sentiri, cum tamen quidam frater staret in choro, qui hoc audiebat. 9 Et cum sic anxiando pre magnitudine gratie se continere non posset, maximum clamorem emisit.
10 Cum ergo ad altare accessisset ad celebrandum missam, quam cantare debebat, ampliata est sibi gratia et crevit amor ille predictus; et datus est sibi quidam sensus de Deo ineffabilis, qui suis verbis nullo modo poterat explicari. 11 Et timens ne cresceret tantum sensus ille et fervor mirabilis, quod oporteret eum dimittere missam, nesciebat quam partem eligeret, utrum scilicet procederet vel expectaret.
12 Tamen quia quandoque simile senserat, et Dominus tantum temperaverat quod ob hoc non dimiserat missam, utcumque confidebat posse procedere. 13 Nichilominus tamen timebat ne eveniret quod evenit, quia tales infusiones divine non sunt in hominis potestate.
14 Cum ergo processisset usque ad prefationem b. Virginis, crevit tantum illuminatio illa et gratiosa suavitas quod, veniens ad Pridie, vix tantam suavitatem et dulcedinem poterat sustinere. 15 Pervento autem ad: Hoc est corpus meum, ingeminans: Hoc est, Hoc est (Mat 26,26)multum frequenter, ulterius procedere non valebat; nam sentiebat presentiam divinam et multitudinem angelorum et sanctorum, 16 ita quod quasi deficiebat pre magnitudine eorum que sentiebat in anima. Unde guardianus loci, succurrens anxianti, stabat iuxta eum, et frater cum cereo accenso post eum; 17 spectantibus et timentibus ceteris fratribus cum aliis hominibus et mulieribus multis, cum quibus erant alique maiores de provincia: que omnes, timentes et expectantes, more mulierum plangebant.
18 Ipse vero fr. Iohannes, quasi alienatus beatissima et suavissima letitia, stabat non procedens in complenda confectione sanctissima, quia sentiebat D. Ihesum Cristum, qui non intrabat hostiam, 19 vel potius hostia non transsubstantiabatur in ipsum, donec adHoc est adiungeret corpus meum. Et non valens ferre tantam maiestatem b. capitis, id est Cristi, ostenso sibi paradiso corporis Cristi mistici, clamavit, dicens: Corpusmeum (Mat 26,26)! 20 Et statim evanuit forma panis et apparuit sibi D. Ihesus Cristus, Dei Filius benedictus, incarnatus et glorificatus; et ostendit ei humilitatem que fecit eum incarnari et facit ipsum venire quotidie in manu sacerdotis. 21 Et talis humilitas tenebat fr. Iohannem in tanta dulcedine et admiratione et ineffabili suavitate, quod non poterat complere verba consecrationis. 22 Est enim tam admiranda humilitas et dignatio Salvatoris nostri Dei circa nos, ut ipse fr. Iohannes dixit, quod corde non potest substineri nec verbis explicari; propter hoc non poterat procedere.
23 Et propter hoc etiam dicto: Hoc est corpus meum (Mat 26,26)mox mirabiliter concussus, post se cecidit retro; sed a guardiano, qui stabat iuxta eum, ne rueret in terram, substentatus est; et concurrentibus allis tam fratribus quam aliis hominibus et mulieribus, que in ecclesia morabantur, tanquam mortuus in sacristia deportatur. 24 Erat enim corpus eius frigefactum sicut corpus hominis mortui; et digiti manuum erant contracti, tam fortiter quod vix valebant distendi vel moveri; et sic iacuit quasi exanimis a mane usque ad tertiam magnam: erat enim in estate.
25 Quia vero ego, qui ad hoc fui presens, desiderabam valde scire que circa eum operata fuerat clementia Salvatoris, quasi statim quod fuit ad se reversus accessi ad eum, rogans pro caritate Dei, ut predicta michi dicere dignaretur.
26 Ipse vero, quia de me plurimum confidebat, totum hoc per gratiam Dei michi per ordinem enarravit; et insuper dixit quod conficiendo, et ante, cor suum erat liquefactum ad modum cere valde distemperate; 27 et caro sua videbatur sibi esse sine ossibus, taliter quod nec brachia nec manus poterat quasi levare ad faciendum crucem super hostiam; 28 addens quod, antequam fieret sacerdos, fuit sibi ostensum quod debebat sic deficere in missa; sed quia multas missas legerat et non evenerat quod sibi fuerat ante predictum, putabat se in hoc esse deceptum. 29 Sed fere quinquaginta diebus ante Assumptionem b. Virginis, in qua hoc habuit, iterum fuit sibi ostensum quod hoc debebat sibi contingere circa Assumptionem, sed erat oblitus istius promissionis.
Ad laudem et gloriam D.n. Ihesu Cristi Amen.

Texto Traduzido

Caput LVII

Como Frei João do Alverne viu o Cristo glorioso na hóstia.

 

1 Com o mesmo Frei João aconteceu algo admirável e digno de célebre recordação, como relataram aqueles que estiveram pre­sentes.
Pois, estando o mencionado Frei João no lugar de Molliano, na custódia de Fermo e na província das Marcas, no primeiro dia depois da oitava de São Lourenço, a saber, dentro da oitava da Assunção da Bem-aventurada Virgem Maria, levantou-se antes da hora das Matinas 3 e, com a grande unção da graça com que o Senhor o dotara, rezou as Matinas com os frades. Rezadas as Matinas, ele se dirigiu ao jardim; porque sentia tanta profusão da imensa doçura e suavidade diante da grandeza da graça, que ele saboreava mentalmente naquela palavra do Senhor:Isto é o meu corpo, que emitia clamores e dizia no coração: Isto é o meu corpo (Mt 26,26).
5 Iluminado nessa palavra pelo Espírito Santo, abrindo os olhos do espírito, via o Cristo bendito com a Bem-aventurada Virgem Maria e com uma multidão de anjos e santos; 6 e compre­endia o que foi dito pelo Apóstolo: como todos somos um só corpo em Cristo e todos membros uns dos outros (Rm 12,5); e: para que possais compreender com todos os santos qual seja o comprimento, a largura, a altura e a profundidade (cf. Ef 3,18), conhecer também a caridade de Cristo que sobrepuja todo conhecimento (Ef 3, 19); tudo isto está neste altíssimo sacra­mento que se realiza quando se diz: Isto é o meu corpo (Mt 26,26). E, quando chegou a aurora, assim tomado pela graça, en­trou na igreja no fervor do espírito, com ansiedade, julgando não ser percebido por ninguém; no entanto, estava no coro um irmão que ouvia isto. E como, estando tão ansioso diante da magnitude da graça, não pôde conter-se e deu um grande grito.
10 Assim que chegou ao altar para celebrar a missa, que devia cantar, foi ampliada a sua graça, e cresceu naquele amor; foi-lhe dada, então, uma inefável sensação de Deus, que, com suas pa­lavras, não se podia explicar de modo algum. 11 E temendo que aquela sensação e admirável fervor crescessem tanto a ponto de ser necessário deixar a missa, não sabia que lado escolher: se continuaria ou se esperaria.
12 Contudo, porque já sentira de vez em quando algo semelhante e o Senhor tanto o mitigara que por causa disto não deixara a missa, de qualquer modo confiava poder prosseguir. 13 Não obs­tante, temia que acontecesse o que aconteceu, porque tais infusões divinas não estão no poder do homem.
14 Portanto, depois de ter prosseguido até ao prefácio da Bem-aventurada Virgem, cresceram tanto aquela iluminação e graciosa suavidade que, chegando ao Estando para ser entregue, mal podia suportar tão grande suavidade e doçura. 15 E chegando ao Isto é o meu corpo, repetindo muitas vezes Isto é, Isto é (Mt 26,26)não con­seguia ir adiante, pois sentia a presença divina e uma multidão de anjos e santos, 16 de modo que quase desfalecia diante da grandeza do que sentia na alma. Por isso, o guardião do lugar pôs-se junto dele, socorrendo-o em sua ansiedade, e frade ficou atrás dele com uma vela acesa. 17 Os outros frades olhavam e temiam, com muitos outros homens e mulheres, com os quais estavam algumas importantes da região: todas elas, temendo e esperando, choravam à maneira das mulheres.
18 E o próprio Frei João, como que alienado por beatíssima e suavíssima alegria, parava, não procedendo para completar a santíssima consagração, porque sentia que o Senhor Jesus Cristo não entrava na hóstia, 19 ou melhor, a hóstia não se transubstanci­ava nele, enquanto ele não acrescentasse o meu corpo ao Isto é. E, sendo-lhe mostrado o paraíso do corpo místico de Cristo, ele, não conseguindo suportar tanta majestade da bem-aventurada cabeça, isto é, de Cristo, clamou, dizendo:o meu corpo! (Mt 26,26). 20 E imedia­tamente esvaiu-se a forma de pão, e apareceu-lhe o Senhor Jesus Cristo, Filho bendito de Deus, encarnado e glorificado; e o fez ver a humildade que o fez encamar-se e o faz vir todos os dias às mãos do sacerdote. 21 E tal humildade mantinha.Frei João em tanta doçura, admiração e inefável suavidade que não podia completar as palavras da consagração. 22 Pois tão admiráveis são a humildade e consideração de Deus nosso salvador para conos­co, como disse o próprio Frei João, que não se podem encerrar no coração nem se expressar em palavras: por isso, ele não pudera continuar.
23 E por isso, tendo dito também Isto é o meu corpo (Mt 26,26)sacudido em seguida de modo admirável, caiu para trás; mas foi sustenta­do pelo guardião que estava ao seu lado, para que não ruísse por terra. Acorreram os outros, tanto os frades quanto os outros ho­mens e mulheres que estavam na igreja, e ele foi levado para a sacristia como morto. 24 Pois o corpo dele estava frio como o corpo de um homem morto; e os dedos das mãos estavam tão fortemente contraídos que mal podiam abrir-se ou mover-se; e assim fi­cou deitado, como um exânime, desde a manhã até a grande Ter­ça; pois era verão.
25 E porque eu, que também nisso estive presente, desejava muito saber o que a clemência do Salvador operara nele, aproximei-me dele quase logo depois que voltara a si, pedindo-lhe pela caridade de Deus que se dignasse dizer-me as preditas coisas.
26 E ele, porque confiava muito em mim, narrou-me tudo por or­dem pela graça de Deus; e, além disso, disse que, celebrando e também antes, seu coração estava derretido como cera bem aquecida; 27 e sua carne lhe pare­cia estar sem ossos, de modo que quase não podia levantar nem os braços nem as mãos para fazer a cruz sobre a hóstia; 28 acrescen­tando que, antes de tomar-se sacerdote, fora-lhe mostrado que devia assim desfalecer na missa; mas, porque celebrara muitas missas e não acontecera o que antes lhe fora predito, julgava que se tinha enganado neste ponto. 29 Mas, quase cinquenta dias antes da Assunção da Bem-aventurada Virgem, em que isto lhe aconteceu, novamente lhe foi mostrado que isso devia aconte­cer na proximidade da Assunção, mas se esquecera dessa promessa.
Para o louvor e glória de Nosso Senhor Jesus Cristo. Amém.