Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Tamanho do Texto:
A+
A-

Frei Rafael de Lima celebra Profissão Perpétua

18/12/2018 - 11h30
Natural de Lagoa Vermelha, RS, o religioso assume definitivamente a forma de vida franciscano-capuchinha.

No dia 22 de dezembro de 2018, sábado, a Província dos Freis Capuchinhos do Rio Grande do Sul acolhe, de modo definitivo, Frei Rafael de Lima que realizará sua Profissão Perpétua como religioso consagrado.

A profissão será realizada durante uma celebração que terá início às 18h, na Comunidade Nossa Senhora Aparecida, bairro Mathias Velho em Canoas, RS.  Quem vai presidir o momento é o ministro provincial dos Capuchinhos do RS, Frei Nilmar Carlos Gatto. 

Frei Rafael escolheu como lema de sua Profissão Perpétua a frase bíblica “Seduziste-me Senhor e eu me deixei seduzir” que está no livro de Jeremias, capítulo 20, versículo 7.

 

TRAJETÓRIA VOCACIONAL DE FREI RAFAEL

Nascido no dia 09 de junho de 1989, em Lagoa Vermelha, RS é filho de Antônio de Lima e Lorizete Maria Brusso. O próprio frei Rafael, em entrevista ao nosso site, relata como foi o despertar de sua vocação:

“Até minha juventude eu nunca havia pensado em ser religioso consagrado, porém quando eu tinha por volta dos 17 anos, em um encontro do grupo de família, após contribuir na reflexão de uma passagem bíblica uma senhora me disse: ‘rapaz, sabe que você daria uma bom Padre!’, foi então que, a partir desta frase e do exemplo do meu tio avô, Padre Pedro Gaiardo, comecei a pensar na possibilidade de ser padre e descobri em minha vida um novo caminho”, destaca.

A motivação em ser frei capuchinho veio pelo exemplo e incentivo dos próprios freis: “Contribuíram para minha decisão de ser frei capuchinho os freis Amâncio Macagnan e Celestino Mazzarolo, com seu exemplo de vida”, recorda.

Frei Rafael ingressou com os Capuchinhos no Convento Sagrado Coração de Jesus de Flores da Cunha, RS, em 2010, na etapa do  Postulado I, onde conheceu mais de perto a vida dos Freis. Recorda que os tempos de adaptação foram difíceis: “No início era complicado ficar distante dos meus familiares, mas aos poucos, a partir da convivência com os  freis e a comunidade de Flores da Cunha, fui me adaptando, afinal sabia que estava no Convento por uma boa e importante causa”.

No ano de 2011, sendo o único postulante da Província do RS, foi enviado a Custódia dos Freis Capuchinhos do Mato Grosso e Rondônia. Lá vivenciou o Postulado II na Casa de Formação São Francisco de Assis, em Cuiabá, MT,  até o mês de setembro.

Ainda em 2011, no dia 04 de outubro, estando de volta ao Rio Grande do Sul, ingressou na etapa formativa do Noviciado, no Convento São Boaventura na cidade de Marau. Desta etapa formativa, frei Rafael destaca: “ali me senti chamado a viver de forma mais intensa a vida capuchinha e os valores franciscanos: a minoridade, a fraternidade, a oração e a missão”.

Foi no noviciado também que recebeu a vestimenta oficial da Ordem Capuchinha, o “Hábito”, passou também a ser chamado de “frei” e depois de exatamente um ano, no dia 04 de outubro de 2012, fez sua Profissão Temporária dos Três Votos de Consagração Religiosa (foto abaixo), a saber: obediência, castidade e não possuir nada de próprio, que serão assumidos definitivamente dia 22 de dezembro de 2018.

Frei Rafael com seus pais, Lorizete e Antônio, em sua Profissão Simples no ano de 2012, em Marau - RS.

No ano de 2013 Frei Rafael passou a residir em Pelotas, RS, no Convento São José no bairro Fragata. Ali iniciou a vivência da etapa formativa do pós-noviciado (ou juniorato), estudando Filosofia na Universidade Católica de Pelotas - UCPel, no período de 2013 à 2015.

Concluindo os estudos filosóficos passou, no ano de 2016, a residir na Fraternidade Santo Operário, na Casa de Formação São José, em Canoas, RS. Onde se encontra atualmente. Em Canoas, frei Rafael estuda Teologia, na Escola Superior de Teologia e Espiritualidade Franciscana - ESTEF, e atua em atividades pastorais na Paróquia São Pio X.

Perguntado como está se sentindo e qual é sua perspectiva para a vida religiosa consagrada como capuchinho, à qual logo mais assumirá por toda a vida, o frei responde: “Me sinto muito feliz neste momento. Depois de praticamente dez anos de discernimento e caminhada vocacional na Província quero assumir, de forma madura e consciente, esta vocação de ser frei. Para a vida como capuchinho sempre tive como norte a seguinte proposta: ser um homem do povo. O próprio papa Francisco fala que os Capuchinhos são homens do povo e é isto que sempre me esforcei por ser e desejo continuar sendo: um frei capuchinho do povo, um frei que está, principalmente, entre aqueles que mais precisam”, conclui.

Frei Rafael de Lima, depois de sua Profissão Perpétua, segue residindo em Canoas e atuando na pastoral local até o término dos estudos da Teologia, só então receberá uma nova missão.


 

SAIBA MAIS 

Na Ordem dos Freis Menores Capuchinhos a formação se realiza em duas fases: inicial e permanente. A formação inicial inclui a iniciação à consagração segundo a forma de vida franciscano-capuchinha até a profissão perpétua, bem como a preparação para o trabalho e o ministério, que pode começar durante esta primeira fase. 

Por sua vez, a profissão perpétua, marca a conclusão da formação inicial, dando início ao período da formação permanente, que se estende por toda a vida. Para que um frei possa fazer sua profissão perpétua, entre outras exigências, é solicitado que o candidato possua mais de 21 anos de idade e tenha no mínimo três anos de profissão temporária, e para isto exige-se uma intensa preparação nos anos da formação inicial à Vida Religiosa Consagrada. 

(Fonte: Constituições da Ordem dos Freis Menores Capuchinhos, números: 23; 29; 32; 33 e 34)


 

Fonte: Capuchinhos do Brasil /CCB

Por Frei Cristian Martins Almeida (Frat. Santa Maria)

Deixar um comentário