Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Tamanho do Texto:
A+
A-

Capuchinhos sobre as missões: 'se não amarmos não somos cristãos'

01/02/2018 - 17h07
O penúltimo dia da ALAC foi sobre 'missão' e como os capuchinhos precisam repensar sua forma de estar presentes.

Frei DavidNo penúltimo dia da ALAC, a Assembleia dos Capuchinhos da América Latina e Caribe, muito se falou sobre MISSÃO. Os capuchinhos são conhecidos por serem missionários, mas, segundo Frei Hugo Mejía, conselheiro geral, “é difícil dizer que, hoje, a missão está no coração da Ordem”.

SEM AMOR NÃO HÁ CRISTÃO

Frei David Joseph Baumont, Custódio dos capuchinhos do norte do México, é missionário há quase trinta anos e apresentou inspiradoras e diferentes realidades de missão que viveu, e vive hoje, no México. Segundo Frei David, a Igreja nasceu com a missão, através do envio dos apóstolos, e por isso os frades precisam ser missionários porque a missão é uma troca de experiências e, acima de tudo, uma troca de amor: “se temos amor precisamos compartilhá-lo. Se não amamos não somos cristãos”, provocou.  

 

ADAPTAR-SE ÀS CULTURAS

Para Frei David, os capuchinhos precisam estar sensíveis às diferenças culturais e isso demanda tempo. Ele pediu aos frades que tenham mais atenção com as crianças, pois, através delas, a missão pode ter efeitos concretos se trabalhadas, desde cedo, temáticas que já estão enraizadas nos pequenos – como problemas com alcoolismo ou drogas na família. Segundo ele, só conseguiremos respostas para a vida se houver uma adaptação às culturas, pois “os povos são variados, as culturas são variadas e assim as respostas também são variadas”.

Frades partilhamApós a fala de Frei David, os frades se reuniram em grupos para responder a três questões: Os irmãos de minha província ou custódia estão cativados com o fogo do amor de Deus para a missão? Quais são os maiores obstáculos a serem superados para lançar uma nova evangelização com um espírito verdadeiramente missionário a partir de nossa província ou custódia? Que elementos podem dar nova vida e paixão para a vivência de nossa missão como frades capuchinhos na América Latina e Caribe?

ELES SÃO OS QUE VALEM A PENA

“Estou convencido que mesmo com as dificuldades precisamos estar na missão, e não porque somos uma Ordem missionária, não pela história que construímos, mas pelas pessoas que Frei Davi nos mostrou. Eles são a nossa missão, eles são os que valem a pena nosso sacrifício, nosso tempo, nossa vida, as enfermidades que podemos ter”, disse Frei Hugo e pediu aos superiores um esforço mais sério para o de missionários.

OLHAR OS JOVENS COMO IRMÃOS

Frei Juan Pablo Lobos, da Guatemala, chamou atenção para a participação dos jovens e que muitas vezes são eles os responsáveis “por propor novas formas de missão, pois eles têm um olfato aguçado para o que é novo”.

Frei CarloQUERO MISSÃO, MAS NÃO QUERO IR

O Custódio dos capuchinhos do Amazonas e Roraima, Frei Carlo María Chistolini, exemplificando sua missão na Amazônia, falou sobre a dificuldade que muitos frades têm em se desprender do conforto de lugares que já conhecem para “arriscar-se” em uma nova realidade desconhecida. Como solução apontou que a formação inicial deve dar conta de despertar, desde cedo, o ardor missionário nos jovens frades, e a oportunidade de conhecer aquilo que os grandes missionários conheceram e sentiram.

NÃO BUSCAMOS A NOSSA ORIGEM

Frei Clézio Menezes, Provincial da região central do Brasil, disse que geralmente as nossas origens são desconhecidas. A missão seria a oportunidade de conhecer as tradições mais antigas do nosso povo: indígenas, quilombolas, entre outros. Ele ainda comentou que é preciso que os formadores de jovens frades incentivem essa busca, desde os primeiros anos da caminhada desses jovens na vida capuchinha.

A TEORIA E A PRÁTICA DA MISSÃO

O evangelho proclamado na eucaristia desta manhã, presidida por Frei José Ángel Torres (presidente da Conferência dos Capuchinhos da América Central, Caribe e México), narra o envio que Jesus faz aos seus discípulos. Segundo o porto-riquenho, os discípulos enviados por Jesus não anunciam uma teoria, mas testemunham a prática que aprenderam ao lado do Mestre. Foi esta passagem que incentivou Francisco de Assis, há mais de 800 anos, a deixar tudo para seguir Jesus pobre e, por isso, esse texto deve continuar inspirando os frades em sua vocação.

A ALAC termina amanhã, com a esperança de que se apontem caminhos concretos para as problemáticas levantadas durante esta semana.  


Vídeo será publicado mais tarde devido o fuso horário de Lima para o Brasil

Fonte: Capuchinhos do Brasil /CCB

Por Paulo Henrique (Assessoria de Comunicação, Lima, Peru)

Deixar um comentário