Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Tamanho do Texto:
A+
A-

'A esperança não cai do céu!', diz Gutierrez aos capuchinhos

30/01/2018 - 20h05
O segundo dia da Assembleia dos Capuchinhos da América Latina e Caribe foi de ouvir as palavras do pai da Teologia da Libertação, Gustavo Gutierrez

O segundo dia de ALAC, em Lima, no Peru, começou com preces em português na eucaristia, às 7h00, presidida por Frei Carlos Silva, Ministro Provincial de São Paulo e presidente da Conferência dos Capuchinhos do Brasil (CCB).  Ele partiu da frase do Papa Francisco sobre a cultura do encontro em que “cada encontro com Cristo transforma as nossas vidas”.

Celebração da manhãMUDAR O NOSSO OLHAR:

O frade lembrou que a missão dos participantes dessa Assembleia é pensar o encontro com esta nova cultura. Para o capuchinho de São Paulo, é preciso que nos deixamos tocar por essa nova cultura, também como é preciso toca-la sem medo. “Às vezes, nos falta fé para enfrentar estas novas realidades que se apresentam a nós! Não seria bom para nós capuchinhos mudar o nosso olhar?”, provocou.

Enquanto isso, na sala da Assembleia, colaboradores limpavam o pó que se acumulou durante a noite, vindo das serras do grande deserto peruano.


GUSTAVO GUTIERREZ:

A terça-feira foi muito aguardada pelos frades, o motivo: a conferência de um peruano de 89 anos, sacerdote dominicano, conhecido em todo mundo por sua dedicação pastoral, mas sobretudo por ser um dos pais da Teologia da Libertação: Gustavo Gutierrez.

A ESPERANÇA NÃO CAI DO CÉU:

Citando muitas vezes o primeiro Papa latino-americano da história, Francisco, Gutierrez disse que “a história de Deus e a história humana são a mesma”. O teólogo disse que a encarnação de Jesus é prova disso e que precisamos não só buscar a presença de Deus na religião, mas em nosso cotidiano, “a casa do Pai também é aqui”, disse. Isso nos ajuda a encontrar na própria vida as razões para ter esperanças. 

Frades traduzem discursos“O que é ter esperança? Ter esperança é criar motivos de esperança, que não vai cair do céu, não há esperança se não há trabalho. A esperança é um dom; mas nesse mundo que nos atordoa por tantas coisas, onde há tanta coisa boa, ruim e regular, o discernimento é o mais importante. Creio que nessas coisas está presente a mensagem do Papa. A convite dele, temos que saber olha-las, isso é ter esperança!”

“Temos um Papa que fala muitas coisas bonitas, mas, mais do que isso, precisamos estar atentos ao que ele faz”, lembrou o teólogo. Além disso, Gutierrez definiu “profecia como fidelidade à memória”, ou seja, profeta é aquele que nos dias de hoje testemunha o amor de Deus que nos acompanha desde o início.

DESAFIOS PELA FRENTE

Os capuchinhos da América Latina e Caribe estão reunidos no distrito de Ñaña, em Lima, no Peru, de segunda (29) até sexta (2/2) e ainda devem enfrentar os desafios da formação de jovens frades, além dos encaminhamentos para o Capítulo Geral, em Roma.

Fonte: Capuchinhos do Brasil /CCB

Por Paulo Henrique (Assessoria de Comunicação, Lima, Peru)

Deixar um comentário