Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Tamanho do Texto:
A+
A-

Conversão Ecológica (I)

Publicado por Frei Miguel Debiasi | 08/08/2015 - 09:59

Na solenidade de Pentecostes deste ano, dia 24 de maio, junto à Catedral de São Pedro, em Roma, o papa Francisco lançou uma Carta Encíclica em defesa das gerações futuras, intitulada Laudato Si’. Diante do elevado estado de poluição e de destruição do ecossistema, já desde o título - que significa "Louvado Seja" - o pontífice evoca São Francisco de Assis como modelo motivador para fazer ecoar seu apelo.

Em seu Cântico das Criaturas o santo de Assis cantava que a nossa casa comum se pode comparar a uma irmã com quem partilhamos a existência, e a uma boa mãe, que acolhe nos seus braços: “Louvado sejas, meu Senhor, pela nossa irmã, a mãe terra, que nos sustenta e governa e produz variados frutos com flores coloridas e verduras”.

A carta encíclica do pontífice convoca todas as pessoas e as nações para um maior cuidado com nosso habitat natural, nossa casa comum, a Terra. Além de ser o lar dos seres humanos é a casa que abriga milhões de seres vivos.

A ciência da astronomia oferece muitos elementos de compreensão do estonteante planeta Terra. Ela é o terceiro planeta mais próximo do Sol, o quinto maior dos oito do Sistema Solar, e o maior dos quatro planetas telúricos. Os ditos planetas telúricos do Sistema Solar são Mercúrio, Vênus, Terra e Marte.

O termo telúrico, do latim tellus, é sinônimo de terra, ou de um planeta rochoso como a terra. Por vezes chamada de Mundo, ou de Planeta Azul, para os cristãos a Terra é obra do Divino Criador; já para a ciência, sua formação deu-se há 4,56 bilhões de anos. Quanto à vida em sua superfície, a ciência calcula que surgiu aproximadamente um bilhão de anos depois.

Os recentes estudos científicos projetam que sua capacidade de recursos e propriedades físicas poderão garantir vida a um futuro de aproximadamente 500 milhões de anos. Quer a projeção seja ou não verídica, em sua superfície e em seu interior encontra-se uma infinidade de recursos dos reinos mineral, animal e vegetal. Estes mais do que nunca exigem muita proteção e cuidado para não levá-los ao esgotamento e à destruição.

Justamente pensando no urgente cuidado exigido o papa Francisco faz chegar seu manifesto aos ouvidos de todas as pessoas e, sobretudo, aos líderes das nações desenvolvidas. A estes, atribui maior responsabilidade de zelar pela espécie humana e de promover a ecologia integral no planeta Terra em prol da humanidade e das gerações futuras.

Enfim, o papa Francisco em sua encíclica Laudato Si' fomenta uma nova consciência que exige ampla e moderna concepção de ecologia, uma verdadeira conversão ecológica. (Continua na próxima edição).

Sobre o autor
Frei Miguel Debiasi

Frei Capuchinho da Província Sagrado Coração de Jesus - Rio Grande do Sul. É mestre em Filosofia e Teologia. Autor  de textos, artigos e crônicas, publicou o livro "Teologia da Tolerância – um novo modus vivendi cristã", em 2015, pela ESTEF - Escola Superior de Teologia e Espiritualidade Franciscana, de Porto Alegre - RS. Atualmente é pároco da Paróquia Cristo Rei, Marau -  RS. É ainda Conselheiro Provincial da Província dos Capuchinhos do RS, tendo sido eleito no dia 04 de setembro de 2014.