Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Tamanho do Texto:
A+
A-

TERCEIRO DOMINGO DO ADVENTO - 13/12/2020

Publicado por Frei Carlos Raimundo Rockenbach | 08/12/2020 - 15:00

TERCEIRO DOMINGO DO ADVENTO - 13/12/2020
“Estai alegres! Orai sem cessar! O Senhor está próximo!”

ACOLHIDA
Animador: Bem vindos irmãos e irmãs à Belém, para celebrar o terceiro domingo do Advento que
nos convida a uma profunda alegria, pois o Senhor está próximo e chega a nós como luz de
nossos corações. A exemplo de João Batista, somos chamados a proclamar no deserto dos
corações distantes da luz, a esperança de um mundo melhor. Preparar o Natal do Senhor é olhar
para dentro de nós, rever as prioridades; olhar para o próximo, perceber suas necessidades e
descobrir a alegria de fazer o bem, contribuindo generosamente na coleta da Campanha para a
Evangelização. Iniciemos nossa celebração cantando.
ATO PENITENCIAL
Animador: O deserto dos corações seca a seiva que alimenta a vida. Por não cultivamos a luz
que vem da oração, da Palavra de Deus e da prática dos seus ensinamentos, humildemente
peçamos perdão.
- Pelas vezes que não somos construtores de relações de PAZ. Senhor, tende piedade de nós.
- Pelas vezes que não testemunhamos a ALEGRIA, fruto do amor. Cristo tende piedade de nós.
- Pelas vezes que buscamos a JUSTIÇA que brota do coração de Deus. Senhor, tende piedade
de nós.
LITURGIA DA PALAVRA
1ª Leitura: Is 61,1-2a.10-11
2ª Leitura: 1Ts 5,16-24
Evangelho: Jo 1,6-8.19-28
REFLEXÃO
Tempo de Advento é tempo de alegria. Alegria do Natal que se aproxima e que não pode
ser confundida com as alegrias fugazes do Natal reduzido ao consumo de bens materiais. O
único presente que temos que dar para os nossos irmãos e irmãs, é o amor, a solidariedade, a
ternura e a paz, expressões da gratuidade de corações generosos.
Um dos motivos desta alegria é o reconhecimento de que o Espírito de Deus está sobre
nós. Ele nos ungiu e nos enviou para dar boas notícias aos pobres, aos que sofrem. Essa é a
razão da nossa alegria. Que grande alegria nós sentimos quando alguém nos traz uma boa
notícia, e como é bom ser portador de uma boa notícia. A boa notícia é resultado daquilo que nós
nos propomos a fazer de bom para nossos irmãos e irmãs. Curar os corações feridos... Quantas
pessoas estão com o coração ferido pela dor da perda de um ente querido, por mágoas
causadas, por incompreensões, por doenças, por diversas formas de maldade humana. Levar
uma palavra de esperança e de conforto a essas pessoas é diminuir seus sofrimentos, é curar
corações feridos. Quando vamos levar esta boa notícia, levamos a nossa ajuda, a nossa
solidariedade, o nosso comprometimento. Tempo de preparação para o Natal é tempo de
solidariedade. Sendo solidários, lutando contra tudo o que é causa desse sofrimento. Assim,
nossa alegria não será passageira, alienada, falsa, mas uma alegria plena porque somos
promotores do Reino de Deus.
Paulo nos pede que sejamos alegres e rezemos sem cessar. É tempo de alegria e tempo
de oração. Temos aqui uma outra síntese deste tempo precioso do Advento. Uma alegria orante,
de expectativa, de esperança de coisas boas que estão por vir e que já estão acontecendo. Ele
nos adverte: “fiquem longe de toda espécie de mal”. Não nos envolvamos com intrigas, fofocas,
maledicências e outras coisas que não promovem a vida. Advento é tempo de conversão, e a
conversão se dá quando demonstramos, por procedimentos, que estamos de fato mudando.
Mudar para melhor é um motivo de grande alegria.
No Evangelho, João Batista anuncia a alegria, preparando os caminhos do Senhor,
anunciando a esperança, um tempo novo que se aproxima, em que as estruturas arcaicas,
caducas e mofadas serão transformadas, substituindo as regras da lei pelas regras do amor. João
é testemunha deste tempo novo que se aproxima. O testemunho é fundamental para combater os
procedimentos profanos que invadem a celebração do Natal. João não era a luz, mas testemunha
da luz. Ele é a voz que grita no deserto. Ser voz que grita no deserto é a maneira mais eficaz de
anunciarmos boas notícias e denunciarmos as perversidades dos poderosos deste mundo. Cabe

a nós, hoje, sermos essa voz que grita nos desertos da vida. Voz que grita contra a desenfreada
e vergonhosa corrupção, contra as mais variadas formas de violência e roubo dos direitos dos
pobres e trabalhadores, contra o desrespeito à vida, contra o descaso com os sofredores, idosos
e abandonados. Devemos ser voz que grita contra a falta e o corte nos investimentos na
educação, moradia e saúde. Essa voz, esses gritos precisam ir às ruas e anunciar que um outro
mundo é possível. Um mundo onde a alegria não seja uma utopia, mas uma realidade acessível a
todos. Só assim o Natal resgatará o seu verdadeiro sentido: Cristo em nossas vidas, em nosso
coração.
PRECES DA COMUNIDADE
Animador: Nosso Deus é um Deus que salva, o Deus da paz e da alegria. Podemos falar-lhe
com o coração aberto e cheio de confiança, cantando: Vem Senhor Jesus, o mundo precisa de
ti.
1. Para que a Igreja reacenda seu ardor missionário e seja luz entre os homens, pedimos
cantando.
2. Para que acolhamos Jesus em nosso coração e assim possamos testemunhá-lo em nossa
vida, cantemos.
3. Para que as famílias sejam iluminadas pelo amor de Deus e que o Jesus menino seja a
inspiração para dialogar, perdoar e compreender, cantemos.
4. Para que reservemos tempo para preparar nosso coração para o nascimento da paz, do amor
e da solidariedade, meios de encontrar a verdadeira alegria, cantemos.
OFERTÓRIO
Animador: Deus nos dá Jesus e nós lhe apresentamos tudo que somos, para que a vida seja
conduzida por Ele. Ele se transforma em nosso alimento para refazer nossa vida. Cantemos.
COMUNHÃO
Animador: O Pão da Vida, na comunhão nos une a Cristo e aos irmãos. Desta união brotará a
fraternidade, sinal do Natal vivo entre nós. Cantemos.

Sobre o autor
Frei Carlos Raimundo Rockenbach

Frei Capuchinho da Província Sagrado Coração de Jesus, Rio Grande do Sul