Cookies e Política de Privacidade
O Capuchinhos RS utiliza cookies para personalizar conteúdos e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Tamanho do Texto:
A+
A-

Visão do feminino em São Francisco de Assis

Publicado por Frei Pedro Cesar Silvério, OFMCap. | 08/03/2016 - 06:00

 

O tema do feminino em São Francisco, visto de um primeiro momento, pode ser uma resposta pessoal – psicológica. Trata da mulher conforme a experiência que todo homem faz em si, as dimensões femininas, quando se refere ao equilíbrio arquetípico de anima e animus. Assim, o feminino em São Francisco se revela em toda a sua dimensão de ternura e promoção da vida, tendo como resultado a sua vida de fraternidade com todos os seres.

 

Se olharmos com mais profundidade, esta fraternidade nos revela um dado novo, uma resposta diferente para a sociedade de seu tempo. Este dado porém é bíblico, apresenta a mulher como irmã, como companheira: E Deus criou o homem à sua imagem... Varão e mulher ele os criou.

 

O olhar maternal

Para São Francisco o lugar da Mãe é o daquela que gera a vida, que possibilita a vida acontecer, e a suporta até as últimas conseqüências. Assim ele também se relaciona com a Mãe de Deus. Na “Saudação à Mãe de Deus”, ele descreve Maria com substantivos que são características daquilo que ele entende ser o papel da mãe: Palácio, Tabernáculo, Morada, Manto, Serva e Mãe do Senhor. Estes substantivos transformam-se em adjetivos para aqueles que querem seguir a Cristo, isto é, transformar-se em “ser mãe”, integrar em sua vida esta dimensão maternal.

 

O olhar filial

Como diz o Dicionário Franciscano no verbete Mulher: “A terceira figura feminina da ‘tríade’ é a ‘filha’... A primeira figura de mulher que vem à nossa mente quando falamos de filha de São Francisco é Santa Clara”. Porém muitas vezes coletamos nos escritos dos biógrafos uma imagem de que o próprio Francisco se faz filho quando chama seus irmãos de mãe. Isto é, entra nesta dimensão de relação de deixar vir à luz.

 

A dimensão de irmandade e amizade

A novidade e a integridade de São Francisco estão em não representar a mulher somente como figura de “Mãe”. Cria em São Francisco um discurso, ampliando e integrando uma novidade e uma relação nova com a vida, por exemplo, a oração “Saudação às Virtudes”. Todas as virtudes recebem o substantivo “Senhora”, considerando as virtudes como características e atributos femininos.

 

A figura de Mãe é um símbolo e ação fundamental em São Francisco. Consideram-se mãe de todos os frades, se coloca com naturalidade diante do feminino. Tomando posição de mãe que “liberta”, ele assim escreve a Frei Leão:

 

Fica para nós um modelo de como hoje podemos integrar o feminino dentro de nossa vida e de nossa ação na sociedade, um trabalho em defesa da vida, em todos os sentidos, do mais necessitado ser da terra ao infinito ser do Universo. Tudo isto é responsabilidade nossa.

Fica também uma visão da mulher de forma contemplativa, isto é, não como propriedade ou objeto de piedade; mas, como um ser que tem a mesma dignidade, igualdade. Assim podemos dizer com o Criador disse faça-se o gênero humano em varão e mulher. Esta é a grande contribuição de São Francisco para um olhar contemplativo e espiritual sobre a mulher. 

 


Este artigo completo, com fontes e bibliografia, pode ser baixado clicando aqui

Sobre o autor
Frei Pedro Cesar Silvério, OFMCap.

--